Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Delegado da PF foragido é preso em Angra dos Reis

Policial aposentado é acusado de coordenar esquema de contrabando de ouro

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 31 de janeiro de 2024 - 22:20
"Julinho Nota Dez" foi levado para a Superintendência da PF, na Zona Portuária do Rio
"Julinho Nota Dez" foi levado para a Superintendência da PF, na Zona Portuária do Rio -

A Polícia Federal (PF) prendeu, nesta quarta-feira (31), um delegado aposentado da própria PF, que é acusado de organizar um esquema de contrabando de ouro. Conhecido como "Julinho Nota Dez", o ex-policial foi preso no município de Angra dos Reis. Ele estava foragido desde 2021, quando foi acusado de participar de uma quadrilha que enviava ouro ilegalmente para fora do país.

O grupo teria enviado, só entre 2017 e 2019, cerca de uma tonelada de ouro. De acordo com a investigação, o ouro era obtido através de garimpo ilegal na Região Norte do país e, então, enviado para fora do país saindo de aeroportos internacionais do Brasil. O delegado Júlio César de Almeida seria um dos responsáveis por coordenar o esquema, que enviava boa parte do material para joalherias na Itália.


Leia também:

➢ Presos integrantes de quadrilha especializada em roubo e receptação de veículos em Niterói

➢ Traficante que enviava armas para Governador Valadares é preso na Baixada Fluminense


Uma  mala com ouro e joias contrabandeadas chegou a ser encontrada na bagagem de "Julinho" em 2021, mas o ex-policial conseguiu escapar antes de chegar ao aeroporto, onde era aguardado pela Polícia. Recentemente, a PF descobriu que ele estava residindo em Angra, e, nesta quarta (31), cumpriu o mandado de prisão contra ele que a 5ª Vara Federal Criminal do Rio expediu. 

Agentes estava foragido desde 2021, quando mala com contrabando foi apreendida
Agentes estava foragido desde 2021, quando mala com contrabando foi apreendida |  Foto: Divulgação

O delegado aposentado foi conduzido para a Superintendência da PF, na Praça Mauá, Zona Portuária do Rio, e vai responder por organização criminosa, lavagem de dinheiro, contrabando, descaminho e corrupção passiva. Em seu histórico, ele já tinha acusações pelo roubo de um veículo no Aeroporto do Galeão, no Rio, em 2008. 

Matérias Relacionadas