Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Segurança é morto com tiro no peito e tem casa incendiada em Niterói

Amigos acreditam que o crime possa ter motivação passional

relogio min de leitura | Escrito por Renata Sena | 07 de dezembro de 2023 - 11:07
O segurança Felipe Mariposa Junes, de 38 anos, executado com tiros no peito e carbonizado dentro de sua residência, em Jurujuba, Niterói
O segurança Felipe Mariposa Junes, de 38 anos, executado com tiros no peito e carbonizado dentro de sua residência, em Jurujuba, Niterói -

O segurança Felipe Mariposa Junes, de 38 anos, executado com tiros no peito e carbonizado dentro de sua residência, em Jurujuba, Niterói, na última terça-feira (05), pode ter sido assassinado por motivação passional. Pelo menos, é essa a versão que moradores do bairro comentam. A informação, no entanto, ainda não foi confirmada pela polícia, que investiga o caso.

Felipe era muito querido no local e sua morte chocou o pequeno bairro de pescadores. Nas praças da região não é difícil ouvir lamentos sobre o crime. Além do clima de profundo pesar, os moradores narram com espanto a forma com que tudo aconteceu.

Felipe era muito querido no local e sua morte chocou o pequeno bairro de pescadores
Felipe era muito querido no local e sua morte chocou o pequeno bairro de pescadores |  Foto: Divulgação

Leia mais: 

Junto da família, Gui, torcedor do Vasco, é vítima de assalto à mão armada em saída de estádio

Mulher acusa PM de agressão em academia de São Gonçalo


"Ele estava dentro de casa, né? Aí parece que invadiram e deram tiros nele. Depois, colocaram fogo na casa, ou no corpo direto, e largaram ele lá. A sorte foi que os vizinhos chamaram os bombeiros, porquê se não, nem o corpo ninguém achava mais. Muito triste. Um rapaz bom. Todo mundo aqui o conhecia”, lamentou um pescador.

Felipe deixou um filho. Sua mãe, segundo vizinhos, também mora no bairro, mas em outra residência. Nenhum familiar do segurança foi encontrado para comentar o caso.

O enterro de Felipe aconteceu na terça-feira, no final da tarde, no Cemitério de São Francisco.

"É fácil ver como ele era querido pelo velório dele. Parecia de artista. Todo mundo foi. Ele era uma pessoa muito querida", lamentou uma comerciante do pequeno bairro.

Nas redes sociais, amigos e familiares também lamentaram a morte do segurança, que comemorava a cada post suas mudanças de hábitos de saúde, que o fizeram emagrecer.

Crime

Agentes da Divisão de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo foram acionados, por volta de 1h da madrugada do dia 05. Na Travessa José Maurício, em Jurujuba, havia um corpo carbonizado dentro de uma casa.

Após o início da perícia, a polícia identificou a vítima como Felipe Mariposa. O homem morava sozinho no local.

A casa, que também havia sido queimada, fica no interior de uma comunidade do local. Bombeiros já tinham contido as chamas, mas a destruição que o fogo fez ainda era visível no imóvel.

Segundo a perícia, o corpo de Felipe apresentava marcas de tiros no tórax e já estava parcialmente carbonizado.

A polícia ainda não comentou sobre o andamento das investigações e afirma que nenhuma linha foi descartada. A versão de um possível crime passional ainda não foi confirmada pela polícia.

O caso segue sendo investigado.

Matérias Relacionadas