Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Maqueiro morto por PM’s apresentou crachá de trabalho antes de ser morto

Eberson Luiz Santos da Silva, de 42 anos, foi atingido por três tiros

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 27 de novembro de 2023 - 16:41
Vítima era querida na comunidade
Vítima era querida na comunidade -

O maqueiro Eberson Luiz Santos da Silva, de 42 anos, morto no último sábado (25), após ser baleado com três tiros pela PM, apresentou crachá e se identificou como trabalhador antes de ter sido alvejado pelos agentes, na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio. A vítima chegou a ser levada para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

De acordo com o advogado da família, Ed Wilson Dutra, Eberson estava na garupa de um mototáxi a caminho do trabalho, quando parou o trajeto para cumprimentar um amigo que estava próximo a um ponto de venda de drogas da comunidade. Segundo o advogado, os policiais já abordaram o maqueiro com dois tiros contra suas pernas. Neste momento, Eberson caiu no chão, imobilizado e apresentou o crachá de maqueiro, mas os agentes dispararam novamente em sua barriga.


Leia mais:

 Rifa de 1 real ajuda a tratar animais vítimas de maus-tratos

➢ Irmãos são atacados a tiros no Jardim Catarina; um deles morreu


"Eles foram abordados já levando tiros, o local me parecia ser um ponto de venda de drogas e os 'caras' que vendiam as drogas correram. Acertaram as pernas dele, imobilizaram ele (com os tiros) e ele caiu no chão. Nessa caída no chão, ele falou que era trabalhador, mostrou a documentação e a polícia não deixou (os vizinhos) socorrerem ele, jogou spray de pimenta nas pessoas que estavam em volta e deu um outro disparo na barriga dele. A comunidade tentando socorrer ele, falando que ele era trabalhador, mostrando o crachá, que ele estava saindo para trabalhar, eles impediram o socorro do rapaz", contou o advogado ao jornal 'O Dia'.

Ainda conforme o advogado, os agentes impediram que os moradores prestassem socorro e levaram a vítima até o Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, mas Eberson já chegou à unidade sem vida. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou a causa da morte como hemorragia interna provocada por perfuração por arma de fogo. A família da vítima cogita processar o Estado por homicídio.

"A polícia continua fazendo a mesma coisa, preto pobre é bandido, não tem jeito. Essa classificação, esse estereótipo da sociedade não morre, eles (policiais) não aprendem, é falta de preparo do Estado. A história se repete com o mesmo perfil e ninguém faz nada, é um compilado de situações tristes e cruéis", declarou a defesa dos familiares.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, Eberson foi maqueiro da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Costa Barros, na Zona Norte, entre abril de 2022 e julho deste ano, contratado por uma empresa terceirizada. Desde julho, ele tinha contrato de trabalho ativo com a RioSaúde, para atuar na mesma função no Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon, Zona Sul.

A Polícia Civil informou que a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) investiga a morte e testemunhas estão sendo ouvidas. Os PMs que participaram da ação prestaram depoimento e tiveram as armas apreendidas para perícia.

A vítima era solteira, não tinha filhos e morava com a mãe na Vila Kennedy. O sepultamento aconteceu nesta segunda-feira (27), às 15h45, no Cemitério de Ricardo de Albuquerque, na Zona Norte.

"Ele não trocou tiros com a polícia, ele não estava armado. Ele era uma pessoa muito boa, um 'cara' sensacional, todo mundo gostava do 'cara' na comunidade. Ele não tinha nenhum envolvimento com o crime organizado. A mãe dele está muito mal, a família também, porque ele contribuia com ela nas despesas de casa, ela trabalhava na UPA da Vila Kennedy de faxineira, ele e o irmão na UPA de Costa Barros. E agora?", lamentou o advogado.

Matérias Relacionadas