Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Funcionários envolvidos em episódio de racismo e denunciados por Vilma Nascimento são demitidos

Dufry Brasil alegou que os demitiu "por quebra dos protocolos da empresa"

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 02 de dezembro de 2023 - 16:47
Porta-bandeira Vilma Nascimento
Porta-bandeira Vilma Nascimento -

Os quatro funcionários que participaram de um caso de racismo no aeroporto de Brasília foram demitidos pela Dufry Brasil. Vilma Nascimento, porta-bandeira histórica da escola de samba Portela, foi responsável por realizar a denúncia.

A Dufry, que possui a concessão do varejo no terminal, terminou a investigação interna e, posteriormente, os demitiu "por quebra dos protocolos da empresa".

Segundo a apuração da empresa, não houve furto na loja em que Vilma foi acompanhada da filha Danielle, que foi com a intenção de comprar presentes para o filho e marido.


Leia também

Açougue com carnes impróprias para consumo é interditado no Rio

Mãe de Larissa Manoela é indiciada por racismo religioso


Relato de Vilma:

"Quando nós chegamos ao aeroporto, Danielle quis comprar uma lembrança para o filho dela e para o marido. Ela ficou olhando o presente, fiquei vendo os perfumes. Sou considerada, no mundo do samba, a cheirosa. O vendedor ficou me acompanhando, me falando os preços porque não enxergo direito. Quando Daniele acabou de comprar, ela pagou o que comprou e saímos. Quando passo pela loja, a segurança chama a gente para entrar e revistar a bolsa. Nunca imaginei ter que passar por isso na vida.", declarou a porta-bandeira.

O crime ocorreu no dia 21 de novembro, um dia após a porta-bandeira Vilma, de 85 anos, ter sido homenageada no Dia da Consciência Negra, em uma cerimônia que aconteceu em Brasília.

A diretoria da Dufry esteve com Vilma e Danielle, sua filha, para se desculpar "pessoalmente pelo constrangimento a que foram submetidas na loja da empresa".

Matérias Relacionadas