Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Prefeitura prepara plano de internação compulsória dos usuários de droga no Rio

Eduardo Paes entrou em contato com a Secretaria de Saúde para que a proposta seja implementada; Declaração acontece após um morador de rua estuprar uma mulher em Copacabana no último dia 14

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 21 de novembro de 2023 - 18:42
A medida acontece depois de um morador de rua estuprar uma mulher em Copacabana
A medida acontece depois de um morador de rua estuprar uma mulher em Copacabana -

Através de uma publicação nas redes sociais, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, determinou ao Secretário de Saúde, Daniel Soranz, a elaboração de uma proposta que prevê a internação compulsória de moradores de rua que são usuários de drogas. A declaração acontece depois de um morador de rua estuprar uma mulher em Copacabana, no último dia 14 de novembro.

“Não podemos generalizar, mas as amarras impostas às autoridades públicas para combater o caos que vemos nas ruas da cidade, demanda instrumentos efetivos para se evitar que essa rotina prossiga”, disse o prefeito na publicação.


Leia também 

Alameda volta a ficar fechada após protesto contra falta de luz

➢ Terminal Rodoviário João Goulart está sem energia elétrica


A medida já foi empregada por Eduardo Paes durante sua primeira gestão, entre 2009 e 2012. Porém, acabou suspensa depois de duras críticas de especialistas e uma ação do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

De acordo com dados do Censo de População em Situação de Rua de 2020, realizado pela Prefeitura do Rio em parceria com o Instituto Pereira Passos, 31,5% dos moradores de rua que estão nos abrigos disponibilizados pelo município têm dificuldade de relacionamento, sofrem ameaças ou violência por parte de outros abrigados ou funcionários.

A ausência de flexibilidade de horários e regras (16,7%) e a falta de infraestrutura nos edifícios (11,1%) são outros problemas apontados pelos moradores de rua.

A pesquisa também evidencia que mais da metade das pessoas que vivem nas ruas já frequentaram abrigos ou unidades de acolhimento da Prefeitura, mas deixaram de frequentar.

Matérias Relacionadas