Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 5,1515 | Euro R$ 5,5085
Search

ONG que atua no auxílio a pacientes com câncer faz campanha beneficente para arrecadar recursos

A Pazo do Bem, foi fundada por Renato Campos, que perdeu seu filho para a doença em 2019

relogio min de leitura | Escrito por Pedro Di Marco | 20 de agosto de 2021 - 14:00
Imagem ilustrativa da imagem ONG que atua no auxílio a pacientes com câncer faz campanha beneficente para arrecadar recursos

A ONG Pazo do Bem, de São Gonçalo, que atua assistindo pacientes com câncer e seus familiares está realizando uma campanha beneficente para arrecadar fundos para a associação. Através da venda de canecas e camisas com mensagens de incentivo à luta contra a doença, a instituição pretende conseguir os recursos necessários para a abertura de seu CNPJ e criação do seu site, onde eles poderão estabelecer uma relação de troca e transparência em relação a seus projetos e despesas, com seus colaboradores.

“Nós estamos criando uma ONG, que vai ser uma associação com força jurídica, para dar assistência a pacientes com câncer e seus familiares. Então o objetivo da campanha é justamente esse. Nós precisamos registrar a ata e o estatuto da associação e também criar um site para nos dar visibilidade, para as pessoas poderem ver e acompanhar todo o nosso trabalho. O objetivo é ser bem transparente, apresentar ao público nossas despesas, prestar contas e através dessa campanha nós vamos ter recursos para cobrir as despesas com o cartório e a criação do site para isso.” explicou Renato Campos, fundador da ONG.

A venda de canecas e camisas é realizada mediante depósito de Pix, no valor mínimo de R$ 30,00. Contudo, se tratando de um ato beneficente o valor da contribuição é livre contanto que exceda os R$ 30,00 necessários para cobrir as despesas com a confecção das canecas e camisetas.

Pai transforma dor em amor e cria ONG para tratar de pessoas com leucemia após perder filho para doença

“A pessoa faz um pix, que por enquanto tá na pessoa física porque ainda não temos o CNPJ da associação, e esse pix ele é livre. O valor mínimo é R$ 30, mas se ela quiser ela pode receber a caneca e fazer uma doação de R$ 50, R$ 100, vai do coração dela. A ideia é você não simplesmente fazer uma doação. Você vai estar contribuindo com a ONG e levando ao mesmo tempo uma camisa ou uma caneca, com mensagens relativas à doação de sangue. Algumas das nossas bandeiras são a conscientização da importância da doação de sangue e do cadastro de doadores de medula óssea, entre outras coisas, e as mensagens são todas alusivas a essas ações. Tem uma com a mensagem “nem todos os heróis usam capa”, que é uma caricatura do Lucas que dá nome a nossa ONG, inclusive. Pazo era o apelido dele”, esclareceu o fundador.

Lucas Pazoline, o jovem que dá nome a ONG, era o filho mais velho do pizzaiolo Renato Campos, de 55 anos, que faleceu em 2019 após uma longa batalha contra o câncer. Pazo, como era conhecido pelos amigos e colegas, foi diagnosticado com leucemia, um tipo de câncer que atua sobre a formação das células sanguíneas, em 2018. O jovem, muito querido por amigos e familiares, mobilizou grandes massas em campanhas de doação e chegou a apresentar melhoras no seu quadro. Mas exames realizados em abril do ano seguinte apontaram um agravamento da doença e, após muito batalhar, em meio a grandes dificuldades de encontrar doadores compatíveis para um transplante de medula óssea no Brasil, Lucas não resistiu, perecendo em junho de 2019. Foi então que Renato, inspirado pela memória do filho, sua alegria em ajudar o próximo e a forma como no final da vida ele foi capaz de mobilizar aqueles à sua volta a trabalhar em prol da combate à doença, resolveu ele também 

“Muitas pessoas que não conheciam a mim, nem o Lucas, foram doar sangue pela nossa campanha, então essa rede foi crescendo. Ali começou esse movimento de ajuda às pessoas que me procuravam e ano passado eu pensei em criar uma ONG para que a gente pudesse fazer ainda mais. Para realizar o desejo do Lucas e continuar esse legado. Ele era um jovem bonito. Era fotógrafo e gostava muito de skate. Torcia pro fluminense, era tricolor fanático. Gostava de culinária, cozinhava muito bem e costumava fazer pratos bem elaborados. Gostava muito de ajudar as pessoas também, era um excelente filho e uma excelente pessoa… um garoto de ouro!”, relatou ele.

Jovem que lutou contra a leucemia e mobilizou a internet morre em Niterói

Como ajudar?

As doações podem ser realizadas através do pix 836.523.457-20. Após a constituição da Associação todas as contribuições serão para pessoa jurídica. As camisas estão disponíveis nos tamanhos P a GG. Para entrar em contato com a associação é só acessar a página no Facebook ou mandar mensagem no Whatsapp para o número (21) 99507-6006 (Renato). 

*Sob supervisão de Cyntia Fonseca

Matérias Relacionadas