Pai transforma dor em amor e cria ONG para tratar de pessoas com leucemia após perder filho para doença

Renato Campos conta história do seu filho, Lucas Pazoline, que faleceu em junho de 2019

Escrito por Matheus Mattos 08/08/2021 17:04, atualizado em 08/08/2021 17:50
Registro do último Dia dos Pais com Lucas: da esquerda para direita, Marina (irmã), Lucas, Renato (pai) e Renan (irmão)
Registro do último Dia dos Pais com Lucas: da esquerda para direita, Marina (irmã), Lucas, Renato (pai) e Renan (irmão) . Foto: Arquivo Pessoal

Viver o luto não é das missões mais fáceis, assim como transformar essa dor em amor é um grande desafio. Mas foi o que fez Renato Campos, pai de Lucas Pazoline, jovem que faleceu de leucemia em junho de 2019. Ele decidiu pegar o sofrimento que vivia e utilizar como combustível para criar uma ONG, com intuito de ajudar e tratar de pessoas com a mesma doença que seu filho.

“O Lucas foi diagnosticado com leucemia em 10 de julho de 2018 e foi internado no hospital Antônio Pedro. Para nós da família foi um baque muito grande. Ele ficou algumas vezes internado, depois passava uns períodos em casa. Em 2019, ele teve uma melhora e ficou com a gente um bom tempo, só indo no hospital para a consulta e exame de sangue. Em abril deste mesmo ano ele precisou novamente ser hospitalizado, porque a doença tinha voltado e mais forte. Nesse mesmo dia, nós conseguimos um doador 100% compatível para ele, que era fora do Brasil, mas para fazer o transplante, ele tinha que estar com a doença em remissão, mas em junho ele não aguentou e foi vencido pela doença.”, contou Renato Campos sobre a história do seu filho.

Mesmo com a doença, Lucas não deixou de ter seu brilho e organizou grandes campanhas de doação de sangue nos hospitais.

“Durante esse tempo, nós construímos uma rede de amigos muito grande, na fase que ele precisava de doação de sangue. Ele fez campanhas e nós também, e foram quase trezentas pessoas doar sangue em nome dele. Esse sangue ajudou muitas pessoas, porque ele não usou tudo com certeza, plaquetas também, pessoas foram e se mobilizaram também pra fazer cadastro de medula óssea no INCA, pois ele precisava do transplante de medula óssea.”, falou.

Assim como o filho, que mobilizou e ajudou diversas pessoas, Renato quer dar luz a outros pacientes com câncer. Ele está no processo de criação de uma ONG para auxiliar pessoas nessa condição e transformar sua dor em amor.

“Depois de alguns meses que ele faleceu, eu criei uma página, a ‘Pazô do Bem’, porque algumas pessoas passaram a me procurar pedindo ajuda para fazer campanha de doação de sangue para familiar, amigo e pessoas que estavam com câncer. Antes disso, muitas pessoas que não conheciam a mim, nem o Lucas, foram doar sangue pela nossa campanha, então essa rede foi crescendo e eu criei essa página. Ali começou esse movimento de ajuda para as pessoas que me procuravam e a gente foi multiplicando, crescendo e ano passado eu pensei em criar uma ONG para que a gente pudesse fazer muito mais. Para realizar o desejo do Lucas e continuar esse legado.”

Renato ainda comenta acerca dos principais ideais com a criação da ONG e o que eles pretendem fazer na iniciativa.

“Nosso principal objetivo com a ONG é dar assistência a pessoas com câncer, com leucemia, ajudar os familiares a atravessar esse momento difícil. A ONG vem para ajudar o paciente a ter uma tranquilidade, pelo menos aqui. Se a gente precisar comprar alguma coisa, comprar medicamento, melhorar o ambiente da casa, estaremos aqui. Na época recebemos ajuda de um pizzaiolo, fizemos um rodízio para pagar as despesas do hospital, pois eu e a mãe do Lucas somos autônomos. Então a gente vai fazer isso, vai ajudar os familiares, porque a pessoa já tem uma doença muito grave, vamos tentar minimizar e amenizar isso.”

O projeto da ONG já existe, está em fase de elaboração e logo sairá do papel. Ela terá uma associação, estatuto e vem para ajudar muita gente. Lucas Pazoline faleceu em 21 de junho de 2019, mas seu legado e sua história continuam a partir daqui.

Como ajudar?

Doação de sangue nas campanhas, fazer um site e comprar um carro, com objetivo de levar as pessoas para doação no Antônio Pedro, são as principais pedidas da iniciativa no momento.

Para quem quiser ajudar a ‘Pazô do bem’, nome dado em homenagem ao Pazoline de Lucas, basta acessar a página no Facebook e entrar em contato. Outra opção é pelo WhatsaApp: (21) 99507-6006 (Renato).


*Estagiário sob supervisão de Thiago Soares

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas