Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Projeto "Vencer" acolhe 180 jovens, através do futebol, em comunidades de Niterói

Dois alunos do projeto, Luan e Guilherme, foram chamados para atuar no Goiás e Vitória, respectivamente

relogio min de leitura | Escrito por João Santos | 19 de janeiro de 2024 - 19:04
Projeto social acolhe mais que 180 jovens através do futebol em comunidades de Niterói
Projeto social acolhe mais que 180 jovens através do futebol em comunidades de Niterói -

O "Projeto Vencer", que é uma ação social instaurada há nove anos para ajudar jovens, por meio do futebol, tem auxiliado nos processos de socialização de crianças e adolescentes de comunidades nas regiões de Niterói e São Gonçalo. Além de ser um importante meio de retirar jovens do caminho do crime e do tráfico, ele também começou a 'render frutos' na esfera esportiva e, agora, levou dois alunos para clubes de futebol fora do estado do Rio de Janeiro.

Essa iniciativa começou no colégio Mullulo da Veiga, localizado no bairro da Engenhoca, em Niterói. Inicialmente, as atividades eram realizadas apenas aos sábados, com intuito de as crianças se distraírem e brincarem aos fins de semana. Porém, ainda em seu primeiro ano, ele passou por uma verdadeira transformação.

Daniel Báfica da Silva, de 42 anos, atualmente professor e responsável pelo projeto, falou sobre como entrou nessa iniciativa e sobre os objetivos da ação.


Leia também

➢ Flamengo negocia com atleta de 17 anos da base do Grêmio

➢ Corinthians faz proposta e Matheuzinho pode deixar Flamengo


Daniel Báfica da Silva, de 42 anos, professor e responsável pelo projeto
Daniel Báfica da Silva, de 42 anos, professor e responsável pelo projeto |  Foto: Arquivo Pessoal

"Há 9 anos, quando o projeto ainda estava em seu início, eu fui levar meu filho para treinar, porém me deparei com as dificuldades que as crianças sofriam e, logo, meu coração se compadeceu com a situação. Então, me ofereci para ajudar o professor, principalmente, na socialização e educação desses meninos, que, na maioria dos casos, vinham da periferia e de situações de vida muito complicadas. Então, a partir daquele momento, iniciei minha jornada no projeto", declarou o responsável.

Após um mês na ação, ele estabeleceu novas regras e limites para colaborar na educação e socialização desses jovens e crianças, como a obrigatoriedade de treinar de tênis e a proibição de xingamentos, afim de gerar um ambiente mais saudável e com mais seriedade. Hoje, Daniel, o responsável pela iniciativa, o mantém por meio da doação de pessoas, já que não recebe nenhum incentivo do governo e de nenhum órgão público. 

Guilherme de Almeida Silva, de 13 anos, aluno do projeto, passou na peneira para jogar no Vitória, da Bahia, e falou sobre como a iniciativa foi importante para que seu sonho se realizasse.

Guilherme de Almeida Silva, de 13 anos, aluno do projeto
Guilherme de Almeida Silva, de 13 anos, aluno do projeto |  Foto: Arquivo Pessoal

"Quando eu tinha ainda 6 anos, eu entrei no projeto social sendo nele minha primeira experiência no futebol. Ao longo desses quase oito anos, evolui muito e, graças a oportunidade que Daniel me deu em poder iniciar minha caminhada futebolística, consegui me destacar cada vez mais no esporte.  Além disso, por meio dele, pude treinar em diversas escolinhas, como o Canto do Rio e, agora, fui chamado para jogar no Vitória, da Bahia", declarou o menino, agradecendo as oportunidades que lhe foram dadas através dessa ação social.

Luan Lucas Oliveira da Silva, de 18 anos, também aluno do projeto, comentou sobre como iniciou sua caminhada no futebol, que o fez ser chamado para atuar na equipe de base do Goiás. 

Luan Lucas da Silva, de 18 anos
Luan Lucas da Silva, de 18 anos |  Foto: Arquivo Pessoal

"Entrei no projeto há cerca de oito anos, ainda em seu início, já que Daniel é pai de um amigo meu que eu sempre jogava pelada nas ruas, então, logo, fui convidado para participar. Eu tive algumas dificuldades quando entrei, pois não recebia tanto incentivo dentro de casa para poder treinar, porém o professor sempre acreditou muito em mim e, fez de tudo para que eu pudesse seguir no programa. Sem sombra de dúvidas, ele é um dos grandes responsáveis por eu ter tido a oportunidade de jogar em tantos clubes, como o Goiás", disse Luan. O atleta viajará neste sábado (20) para se apresentar à equipe.

Após três anos no colégio Mullulo da Veiga, foi necessário uma mudança no local dos treinos, devido ao aumento significativo da quantidade de alunos. Atualmente, os treinos ocorrem no campo da Esteves, no bairro da Engenhoca, em Niterói, e em seu novo núcleo na quadra do Abad, no Tenente Jardim, também na cidade de Niterói. O Projeto Vencer recebe cerca de 180 alunos, entre 5 e 16 anos.

Os treinos acontecem ás segundas, quartas e sábados no campo da Esteves, e as terças e quintas na quadra do Abad, ou como popularmente conhecida, quadra do Gelo. Para realizar a inscrição, basta apenas entrar em contato por meio das redes sociais do projeto e, posteriormente, marcar uma aula experimental. 

Link do Instagram: Projeto Vencer

Matérias Relacionadas