Conheça a 'Música Popular Gonçalense' que tem influência da MPB

MPG não é um estilo oficial mas tem seus adeptos na cidade

Enviado Direto da Redação

Por Rennan Rebello


A Música Popular Brasileira, conhecida também como MPB, é um estilo já consagrado que reúne artistas de diversas regiões do país que investem em letras com viés poéticos que retratam de certa forma distintas realidades brasileiras em um ritmo mais cadenciado com produções arrojadas. O estilo tem ícones como Maria Rita, Chico César, Céu e Chico Buarque.


E em São Gonçalo, bebendo na fonte deste estilo, poderíamos afirmar que há uma cena de 'Música Popular Gonçalense' (MPG), onde os músicos locais compõe com influências da MPB mas retratando, de forma autoral, peculiaridades da cidade como há registros em canções dos antigos grupos MPop do B (M. Pop do B" (Música Popular do Brasil, capitaneada pelo cantor e compositor Leandro Ribeiro), Expresso Lunar e Xarles Xavier (ex-vocalista da banda de rock Incrível Mart), que surgiram no município nos anos 2000.


Nesta vertente, a reportagem de O SÃO GONÇALO escutou um lançamento recente no estilo que se encaixa na MPG. Trata-se da música: 'Acordes em flor', lançada neste mês e composta pelo poeta Décio Machado e gravada pelo cantor Ian Medeiros, com produção de Iris Nascimento, que também foi o responsável pelo arranjo da obra.

"Sou casado com Leila há 36 anos e quando começamos a namorar sete anos antes do nosso casamento, eu sempre pedia para que ela tocasse um acordeon para mim, já que estava aprendendo a tocar este instrumento na época. E até hoje espero por esse dia (risos). E um belo dia, vi este acordeon lá em casa e lembrei-me do nosso relacionamento que foi construído aqui em São Gonçalo, cidade que sempre moramos, e que como além de poeta, sou um apaixonado por música e gosto muito de MPB, daí veio a inspiração para compor esta letra. Gostei do resultado e convidei o cantor Ian Medeiros e o produtor Íris Nascimento que fez o arranjo em seu estúdio lá na Avenida Lodial, no Boaçu. A minha esposa gostou do resultado e eu também. Futuramente penso em produzir um videoclipe, porém, já disponibilizamos a música no Youtube ", explicou Décio, que também é escritor e atualmente preside a Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências. Ele ressalta a importância da MPG como forma de destacar a cultura da cidade que sob seu ponto de vista, é um celeiro de talentos musicais.


"A 'Música Popular Gonçalense', se pararmos para pensar, ela sempre existiu, pois, em São Gonçalo há muitos músicos e sempre costumo dizer que sempre há alguém de São Gonçalo tocando em alguma banda pelo Brasil ou que esteja envolvido com música de certa maneira. A MPG não precisa exatamente falar de características geográficas da nossa cidade mas sim em relatar nossas histórias e o que vivemos no cotidiano. Eu admiro muito os nossos músicos e tem muita coisa boa acontecendo aqui. Vale destacar que em 'Acordes em flor', todos os músicos são daqui do município", finalizou.


Gonçalenses e a música - É difícil precisar quando começou a 'iniciação musical' de São Gonçalo, inclusive o santo português que dá nome a cidade, era violeiro. Contudo, contextualizando de forma contemporânea é possível pensar em nomes que fizeram sucesso ultrapassando as fronteiras da cidade como o cantor e compositor Altay Veloso ou de Magno da Gaita, que concilia a sua vida como professor de Artes na Rede Estadual de Ensino com sua carreira com instrumentista. Outro artista atual que se destaca por seu trabalho autoral é o Dico, morador da Brasilândia, que tem admiração até de Carlos Dafé, um dos ícones da soul music no Brasil. Inclusive, Dafé fez participação na música 'Avant-Garde' do disco que Dico lançou em 2017.


Já no âmbito de movimento musical interno, em meados dos anos 2000, o Sesc, situado no bairro do Estrela do Norte, sediava o evento 'Groove do som' que abria espaço aos músicos locais e de fora para tocarem nas noites de quartas-feiras na cidade como o “Som Gonçalo – Instrumental Entre Amigos”, que durante um período 2017, às segundas-feiras, realizava encontro de instrumentistas de diversas partes do Rio, no Centro Cultural Joaquim Lavoura, o Lavourão, próximo a unidade do Sesc.


E além do ofício de ser integrante de alguma banda, o morador do bairro Luiz Caçador, José Bonifácio, também conhecido como JB Roadie, tem sua vida profissional centrada no mercado musical, já que é roadie (pessoa que trabalha na montagem do palco ou afinação de instrumentos dos músicos) e até hoje acompanha o cantor pernambucano Geraldo Azevedo, que recentemente foi homenageado no Bistrô d´Avô no Centro de São Gonçalo, próximo ao Rodo Shopping. JB também costuma fazer sua exposição itinerante em território gonçalense com itens de músicos famosos dos quais já trabalhou durante a sua carreira. Assim como estes personagens, há inúmeros outros que vivem de música.


A seguir, OSG disponibiliza aos seus leitores o vídeo de "Acordes em flor'' e também antigos registros musicais dos artistas e grupos musicais citados ao longo do texto.

Veja também