Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 5,4396 | Euro R$ 5,8829
Search

Criminosos de Itaboraí controlam provedores de internet e moradores denunciam

A situação é grave e afeta a vida diária da população

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 09 de julho de 2024 - 12:25
A 71ª DP (Itaboraí) investiga o caso
A 71ª DP (Itaboraí) investiga o caso -

Moradores de Itaboraí estão enfrentando uma situação alarmante: a obrigatoriedade de contratar serviços de internet de empresas controladas pelo tráfico de drogas. A situação, que já se espalha por diversos bairros da cidade, está deixando a população sem alternativas e sem respostas das autoridades.

A situação é grave e afeta a vida diária de muitos residentes. Uma moradora de Nova Cidade, que preferiu não se identificar, compartilhou sua experiência: “Começo o dia sem internet. Moro em Nova Cidade, em Itaboraí. Liguei para a Telecom, que é minha provedora, e fui informada que os técnicos foram ameaçados durante o reparo e que possivelmente não poderiam mais fazer reparos na área”. A moradora relatou ainda que motoboys na rua informaram que apenas o provedor ligado ao Paiol, um conhecido traficante da região, poderá atender à demanda de internet no bairro.


Leia também: 

Homem é baleado e acaba preso por dívida com pensão alimentícia

Morre Arthur, filho do cantor Zé Vaqueiro, aos 11 meses


A situação é repetitiva em Itaboraí. A mesma moradora revelou que, no ano passado, precisou se mudar por não conseguir trabalhar com a única internet autorizada pelo tráfico na Reta. “Hoje resido em outro bairro, em uma casa bem pior que a minha antiga, mas com acesso a serviços de internet que me permite trabalhar no sistema híbrido”, desabafou.

Os moradores denunciam a omissão das autoridades e a falta de ação efetiva para combater a situação. 

“É impossível ficar sem poder contar com internet que dê para trabalhar. Não tem como. Eu não tenho como me mudar para o Rio ou Niterói, nem quero. Minha vida está aqui em Itaboraí. Mas além de você ter medo de andar na maioria dos bairros que não eram ruins, você também tem de pensar se vai poder trabalhar, estudar e até ver TV em casa”, desabafou.

A 71ª DP (Itaboraí) investiga o caso. 

Matérias Relacionadas