Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9953 | Euro R$ 5,4069
Search

Assassino de cantora trans acompanhou de perto trabalho da polícia

Acusado voltou ao local do crime quando corpo da jovem era retirado

relogio min de leitura | Escrito por Renata Sena e Lara Neves | 08 de fevereiro de 2024 - 12:16
Marlon teria vergonha de se relacionar com Amanda
Marlon teria vergonha de se relacionar com Amanda -

Apesar de falar de arrependimento em seu depoimento o homem acusado de ter assassinado a facadas a cantora transexual Amanda de Souza Soares, de 23 anos, na última quinta-feira (01), acompanhou o trabalho da polícia e a dor da família no momento em que o corpo da jovem foi encontrado no Jardim Nova República, em São Gonçalo.

Marlon Nascimento da Silva, de 26 anos, que trabalha como repositor em um mercado, foi preso na noite da última quarta-feira (07) e pode ser indiciado por feminicídio. Ele confessou o crime à polícia, sem esclarecer o que o motivou a tal barbárie.


Leia também:

Acusado de matar cantora trans em São Gonçalo é preso

Cantora trans é encontrada morta a facadas em São Gonçalo 


Contudo, moradores da região afirmam, chocados, que o jovem estava presente na cena do crime ao longo de todo o tempo que a polícia periciava o local. Nem a dor da família sensibilizou o autor do homicídio, que, do canto, acompanhou o início das investigações da polícia para tentar chegar até ele.

Segundo o delegado responsável pela investigação, o criminoso e a Amanda se conheciam desde a adolescência e mantinham uma relação que ele queria que fosse em sigilo.

"Ele foi preso pelo mandado de prisão temporária. Mas, apesar da motivação não ter sido falada às claras por ele, ele confessou ter vergonha de se relacionar com ela. Isso pode, inclusive, ser colocado como feminicídio, já que eles tinham uma relação afetiva. E é o que eu estou estudando fazer. Temos muitas provas para comprovar a autoria, além da confissão dele", afirma o delegado Pedro Henrique Neves

Pedro Henrique Neves
Pedro Henrique Neves |  Foto: Layla Mussi

.

A investigação da polícia descobriu que o celular da vítima foi quebrado e jogado dentro de um rio. Porém, mesmo sem o aparelho, os agentes conseguiram provas o suficiente para indiciar o repositor.


Autor: Layla Mussi | Descrição:

Matérias Relacionadas