Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

GAECO/MPRJ e PF deflagram a operação Dinastia II contra a milícia, no Rio de Janeiro

O objetivo é cumprir 12 mandados de prisão preventiva e 17 mandados de busca e apreensão

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 19 de dezembro de 2023 - 08:02
Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada em Organização Criminosa do TJRJ
Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada em Organização Criminosa do TJRJ -

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado

(GAECO/MPRJ), com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ), e a Polícia Federal, por meio do Grupo de Investigações Sensíveis da PF (GISE/RJ) e da Delegacia de Repressão a Drogas (DRE/PF/RJ), deflagraram, na manhã desta terça-feira (19/12), a 2ª fase da operação Dinastia. O objetivo é cumprir 12 mandados de prisão preventiva e 17 mandados de busca e apreensão em desfavor de integrantes de uma organização paramilitar que atua em territórios da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada em Organização Criminosa do TJRJ.


Leia mais: 

Polícia Civil prende mulher acusada de dopar e matar ex-companheiro em Itaboraí

Deputada é alvo de operação contra milícia no Rio


Esta segunda fase da investigação é um desdobramento da operação deflagrada em 25 de agosto de 2022, que também resultou na deflagração da operação Batismo, na data de ontem, contra o núcleo político da organização. A ação desta terça-feira visa desmantelar o núcleo financeiro da organização criminosa, identificando toda a estrutura de imposição de “taxas” ilegais a grandes empresas e pequenos comerciantes locais, bem como as contas correntes beneficiárias de tais cobranças.

Durante as investigações foi possível identificar e individualizar os personagens que compõem toda a cadeia de ocultação dos valores provenientes da arrecadação ilegal por parte dos paramilitares.

Os presos, os bens apreendidos e demais documentos de interesse para a investigação serão encaminhados à Superintendência Regional da Polícia Federal no Rio de Janeiro para os procedimentos de praxe.

Matérias Relacionadas