Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Mulher de chefe do tráfico no Pará é presa o sair de festa no Rio

Evelyn Baladan é suspeita de integrar a organização criminosa e de atuar na lavagem de dinheiro do crime; Ela foi presa ao sair de uma festa em um quiosque na Praia da Reserva

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 05 de dezembro de 2023 - 16:45
Evelyn Baladan foi detida quando saía de uma festa em um quiosque na praia da Reserva
Evelyn Baladan foi detida quando saía de uma festa em um quiosque na praia da Reserva -

Uma operação da Polícia Civil prendeu, nesta terça-feira (5), a mulher de um dos chefes do tráfico do Comando Vermelho no Pará, Anderson Latrol.

Evelyn Baladan foi detida quando saía de uma festa em um quiosque na praia da Reserva, na Zona Oeste do Rio, acompanhada de uma amiga.

A paraense, que está no Rio desde 2021, foi capturada quando se preparava para entrar em um carro de aplicativo para ir embora do local.


Leia também

'Medalhão do tráfico': relembre trajetória de Paulinho Madureira, preso no sábado

Jogador é suspeito de matar namorado da ex e abusar sexualmente dela


Ela e Andressa Franco, companheira de outra liderança do Comando Vermelho (CV), Bené, também foi presa no Pará. As duas, segundo as investigações, participavam ativamente da organização criminosa, com destaque na lavagem de dinheiro.

A operação foi realizada pela Polícia Civil do Pará, com apoio da Civil do Rio.

Segundo investigadores, Latrol está escondido há dois anos no Rio de Janeiro e tem como base o Complexo da Penha, na Zona Norte. Ele era um dos braços-direitos do traficante Léo 41, morto no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, em março deste ano.

Anderson Sousa Santos, conhecido como Anderson Latrol
Anderson Sousa Santos, conhecido como Anderson Latrol |  Foto: Divulgação/Polícia Civil

Operação 'Acerto de Contas'

A operação da polícia paraense prendeu, no total, 18 suspeitos de organização criminosa, tráfico de drogas no município de Tailândia (PA) e lavagem de dinheiro.

As prisões foram feitas em seis municípios além do Rio: Belém, Tailândia, Marituba, Mocajuba, Quatro Bocas, no Pará; e São Luís, no Maranhão.

A investigação apurou que a quadrilha movimentou aproximadamente R$ 4,5 milhões no período investigado. Foi realizado um bloqueio bancário no valor de R$ 6.870.000.

Matérias Relacionadas