Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down Euro down
Search

Flordelis é transferida de presídio em Bangu para não ter contato com a neta

A transferência ocorreu na última quarta-feira (18)

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 19 de agosto de 2021 - 10:33
Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato do marido Anderson do Carmo
Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato do marido Anderson do Carmo -

Como solicitado pelo advogado Ângelo Máximo, representante da família do pastor Anderson do Carmo, à Justiça, a ex-deputada Flordelis, acusada de ter sido a mandante do assassinato do pastor, foi transferida na última quarta-feira (18) do Instituto Penal Santo Expedito, no Complexo de Gericinó, em Bangu, para a Unidade Prisional Talavera Bruce, no mesmo complexo. Isso porque no Santo Expedito estava também Rayane dos Santos Oliveira, neta da ex-deputada, e também acusada de envolvimento na morte do pastor Anderson e, segundo uma ordem judicial, Flordelis não pode ter contato com nenhum dos outros dez réus do caso. Inicialmente, o pedido foi para que a ex-deputada fosse transferida para a Unidade Prisional Nilza da Silva Santos, em Campos dos Goytacazes, mas isso não ocorreu.

Flordelis e outros membros de sua família são acusados de envolvimento na morte do pastor Anderson do Carmo. O pastor foi morto a tiros na garagem de sua casa, em Niterói. Após diversas investigações, a Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo concluiu que a família fazia parte do esquema que causou a morte do religioso. Alguns filhos e a neta de Flordelis foram presos ainda em 2019, já outros foram detidos apenas em 2020. 

Ao todo, os envolvidos no caso que foram detidos são: Marzy Teixeira da Silva, Andrea Santos Maia, Simone dos Santos Rodrigues, Rayane dos Santos Oliveira, Flávio dos Santos Rodrigues, André Luiz de Oliveira, conhecido como "bigode", Carlos Ubiraci Francisco da Silva, conhecido como "neném", Adriano dos Santos Rodrigues, Marcos Siqueira Costa e Lucas Cezar dos Santos de Souza. Destes, Rayane e Andreia (acusada de falsificar a carta na qual Lucas Cézar dos Santos de Souza, filho de Flordelis, confessava que matou Anderson), também estavam no presídio Santo Expedito. 

A ex-deputada demorou a ser detida por conta de sua imunidade parlamentar. No entanto, ela precisou usar tornozeleira eletrônica e outras medidas cautalares determinadas pela Justiça. Ele foi presa há alguns dias após a Câmara dos Deputados decidir que o mandato dela deveria ser cassado. O mesmo procedimento já havia sido aprovado, anteriormente, pelo Conselho de Ética da Casa.

Flordelis vai responder pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, incluindo emprego de meio cruel, motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima, associação criminosa armada, tentativa de homicídio e uso de documento falso. 

A ex-deputada e sua família ainda serão julgados por um júri popular.

Matérias Relacionadas