Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9796 | Euro R$ 5,4073
Search

Sérgio Cabral tem pedido negado para retirar tornozeleira eletrônica

A defesa alegou "bom comportamento" do ex-governador do Rio, sem notícias de intercorrências após liberação do cárcere

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 21 de março de 2024 - 16:32
O ex-chefe do executivo fluminense é monitorado pelo equipamento e não pode se ausentar do país
O ex-chefe do executivo fluminense é monitorado pelo equipamento e não pode se ausentar do país -

A 1ª Turma Especializada do TRF2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) negou o pedido do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, para suspender medidas cautelares impostas pela Justiça Federal, como o uso de tornozeleira eletrônica.

Atualmente, o ex-chefe do executivo fluminense é monitorado pelo equipamento e não pode se ausentar do país, além de ter a obrigação de comparecer em juízo mensalmente.


Leia mais

Governo do Estado promove audiência pública sobre as barcas

MP denuncia Jair Renan por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e uso de documento falso


Em recurso solicitado na ação referente à Operação Eficiência, a defesa de Cabral havia alegado "bom comportamento do réu", sem notícias de intercorrências desde a liberação do cárcere.

Porém, a maioria dos desembargadores federais acompanhou o entendimento da relatora Simone Schreiber. Ao votar, a desembargadora citou que o réu foi condenado em ao menos seis processo, cujas penas ultrapassam 89 anos de prisão.

As investigações da operação Eficiência ocorreram em 2017. Na ocasião, Sérgio Cabral foi acusado dos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Segundo a denúncia do MPF (Ministério Público Federal), o ex-governador recebe propina paga pelo empresário Eike Batista entre 2010 e 2011 e 'lavou' e escondeu o dinheiro no exterior com a ajuda de aliados.

Matérias Relacionadas