Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down 5,1455 Euro down 5,2327
Search

PSDB convoca reunião de emergência para discutir impeachment de Bolsonaro

Governadores do partido declararam apoio à proposta

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 07 de setembro de 2021 - 16:31
Bruno Araújo, presidente do PSDB
Bruno Araújo, presidente do PSDB -

O presidente do PSDB, Bruno Araújo, convocou uma reunião de emergência do Executivo do partido para discutir a possibilidade de pedido de abertura de processo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. O anúncio foi feito nesta terça-feira (7), após Bolsonaro declarar que convocou o Conselho da República. 

De acordo com o partido, o encontro está previsto para acontecer nesta quarta-feira (8). 

"O Presidente do PSDB, Bruno Araújo, convoca reunião Extraordinária da Executiva para esta quarta-feira, para diante das gravíssimas declarações do presidente da República no dia de hoje, discutir a posição do partido sobre abertura de Impeachment e eventuais medidas legais", informou o partido, em sua conta oficial no Twitter.

Durante discurso a apoiadores, em Brasília, Bolsonaro voltou a atacar ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e disse que convocou o Conselho da República, órgão que se pronuncia sobre intervenção federal, declaração de estado de defesa e estado de sítio e que também discute questões relevantes para a estabilidade das instituições democráticas. 

Os governadores eleitos pelo PSDB, João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS), que são pré-candidatos a presidente da República, manifestaram apoio ao afastamento de Bolsonaro. Doria, que se tornou um dos principais adversários do presidente Jair Bolsonaro, disse pela primeira vez que apoia o impeachment.

"Até hoje nunca havia feito nenhuma manifestação pró-impeachment, mas, depois do que assisti e ouvi hoje, o presidente claramente afronta a Constituição, desafia a democracia e empareda a Suprema Corte brasileira".

Já Eduardo Leite usou suas redes sociais para comentar sobre o assunto. Ele disse que foi "um erro colocar Bolsonaro no poder e que está cada vez mais claro que é um erro mantê-lo lá".

Matérias Relacionadas