Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9953 | Euro R$ 5,4069
Search

Diesel, gasolina e gás de cozinha ficam mais caros nesta quinta (1)

Imposto estadual deve afetar preços de combustíveis a partir deste mês

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 01 de fevereiro de 2024 - 16:29
Reajuste do ICMS deve trazer aumento de cerca de 12,5% para combustíveis e GLP
Reajuste do ICMS deve trazer aumento de cerca de 12,5% para combustíveis e GLP -

Abastecer o carro ou trocar o botijão de gás da cozinha vai ficar mais caro a partir desta quinta-feira (01). Começa a valer hoje o reajuste do ICMS, o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços, cobrado sobre a gasolina, o diesel e o gás de cozinha. Com a mudança, o valor cobrado pela gasolina, por exemplo, deve aumentar em cerca de 15 centavos.

O ICMS é cobrado pelos Governos estaduais e incide sobre as alíquotas gerais. No caso da gasolina, a alíquota, que era de R$ 1,22 por litro até esta quarta (31), sobe para R$ 1,37. Com isso, o preço médio nacional muda de R$ 5,56 para R$ 5,71. Já no caso do óleo diesel, o aumento foi de 12 centavos na alíquota - o que deve aumentar a média nacional para R$ 5,95 por litro para diesel comum. 


Leia também: 

➢ Novo quebra-molas em Pendotiba faz carros 'voarem' na pista  

➢ Genro de Flordelis é preso por novas ameaças a advogado da família de Anderson do Carmo 


Com o gás de cozinha, a alíquota sobe 16 centavos por quilo: de R$ 1,25 de R$ 1,41. O valor médio cobrado por um botijão de 13 quilos deve, portanto, aumentar de R$ 100,98 para R$ 103,60. Os combustíveis seguem um sistema de tributação diferente dos demais produtos afetados pelo ICMS e, por conta disso, as mudanças nos preços acontece com valores fixos em centavos no caso deles. 

A última mudança na cobrança do ICMS havia acontecido em março de 2022. Recentemente, representantes dos governos estaduais do país decidiram, através do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), aprovar um novo reajuste para compensar a queda nas receitas locais. De acordo com a Confaz, na maior parte dos casos e com produtos que não sejam combustíveis, os estados subiram as alíquotas gerais de 18% para 20%.

Matérias Relacionadas