Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

2023 foi o ano mais quente do mundo nos últimos 100 anos

Observatório europeu registrou recorde de calor na temperatura média ao redor da Terra

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 09 de janeiro de 2024 - 18:52
Instituto meteorológico do Brasil também registrou recorde de calor no país
Instituto meteorológico do Brasil também registrou recorde de calor no país -

Quem achou o calor de 2023 "anormal" não estava errado. De acordo com levantamentos de institutos de meteorologia do Brasil e da Europa, o último ano teve as maiores temperaturas registradas nos últimos 100 mil anos não apenas aqui no país como ao redor de todo o globo, conforme apontam as pesquisas. 

Aqui no Brasil, a temperatura média foi de 24,92°C ao longo de todo o ano, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A média é maior do que todos os últimos registros feitos pelo Instituto desde sua fundação, nos anos 60. Em 2023, o país também viu a maior temperatura já notada pelo Instituto em uma cidade do país: 44,8°C, registrados na cidade de Araçuaí, em Minas Gerais.


Leia também: 

➢ Feriado em São Gonçalo: confira o funcionamento dos shoppings no dia do padroeiro gonçalense 

➢ Escolas de samba da região realizam seus primeiros ensaios técnicos 


As crescentes na temperatura, porém, não ficaram restritas ao país. De acordo com dados divulgados pelo observatório Copernicus, da Agência Espacial Europeia, a temperatura média de todo o planeta foi a mais alta dos últimos 100 mil anos. 2023 foi o primeiro ano em que todos os dias foram pelo menos 1°C mais quentes que os níveis de temperatura pré-industriais (1850-1900).

Em média, o ano ficou 1,48ºC acima dos níveis pré-industriais - número bem próximo dos 1,5°C estabelecidos pela maioria dos cientistas como limite seguro para a temperatura no planeta.

A má notícia é que o recorde de calor pode vir a ser superado já neste ano, conforme indicam levantamentos da Organização Meteorológica Mundial (OMM). Em análise publicada no último mês de novembro, a Organização afirmou que as temperaturas médias de 2024 tem grandes chances de superar as de 2023, o que pode acelerar as mudanças climáticas e seus efeitos colaterais ao redor do mundo.

Tags:

Matérias Relacionadas