Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Corpo de menina espancada pelo pai é sepultado em Niterói

Familiares e amigos estiveram no Cemitério do Maruí, no Barreto, nesta quarta-feira (13), para prestar as últimas homenagens a Aoulath Alyssah, de 8 anos

relogio min de leitura | Escrito por Lívia Mendonça | 13 de dezembro de 2023 - 16:42
Mãe da pequena Alyssah, de 8 anos, durante o cortejo em direção ao sepultamento
Mãe da pequena Alyssah, de 8 anos, durante o cortejo em direção ao sepultamento -

O corpo da menina Aoulath Alyssah Rodrigues Damala, de 8 anos, morta pelo próprio pai em Niterói, na noite da última segunda-feira (11), foi sepultado no início da tarde desta quarta-feira (13), no Cemitério do Maruí, no Barreto. A criança foi espancada pelo pai, o estudante de engenharia Ilias Olachegoun Adeniyi Adjafo, de 30 anos.

Familiares e amigos de Alyssah estiveram no local para prestar as últimas homenagens
Familiares e amigos de Alyssah estiveram no local para prestar as últimas homenagens |  Foto: Layla Mussi

A mãe de Alyssah, familiares e amigos estiveram no local para prestar as últimas homenagens a pequena, mas não quiseram falar sobre o caso. 

O cortejo foi marcado pela emoção de parentes, que caminharam em silêncio até o local do sepultamento. Apesar da família ser do Benin, na África, a criança era brasileira e morava com o pai na comunidade Boa Vista, em Niterói, a cerca de seis meses. 

Parentes e amigos se emocionaram durante o sepultamento de Aoulath Alyssah
Parentes e amigos se emocionaram durante o sepultamento de Aoulath Alyssah |  Foto: Layla Mussi

Leia mais

Professora de menina morta pelo pai em Niterói deve ser ouvida

Pai acusado de matar filha em Niterói é transferido


Relembre o caso

A menina Aoulath Alyssah Rodrigues Damala, de 8 anos, foi morta espancada na comunidade Boa Vista, em São Lourenço, Niterói, no final da noite da última segunda-feira (11). Seu pai é acusado pela morte. A perícia apontou que o corpo da menina apresentava inúmeras lesões provocadas por ação contundente nas costas, no tórax, nos braços e no peito.

A principal suspeita é de que uma lesão na coluna cervical seja o motivo para a morte de Aoulatth Alyssah.

O pai da menina, Ilias Olachegoun, estava no Brasil desde 2014, porém, em 2015, sua ex-companheira e mãe de Alyssah, teria registrado um boletim de ocorrência por lesão corporal contra o suspeito. Ela estava em São Paulo quando soube da morte da filha. 

Investigação 

A professora da escola onde a menina estudava também deve prestar depoimento à polícia nos próximos dias. Mesmo com a prisão do principal suspeito, o caso segue sendo investigado.

Um dos intuitos de se escutar a profissional da educação é apurar se o que foi dito pelo pai a uma testemunha é verdade. O acusado teria afirmado que ouviu uma reclamação da professora de sua filha a respeito de uma suposta "usurpação" de um objeto de uma colega de escola.

Outro objetivo do depoimento é investigar se houve algum tipo de negligência por parte da escola da menina, uma vez que a perícia apontou que o corpo de Aoulath Alyssah tinha marcas de agressões anteriores à data de sua morte.

Além da professora, outras pessoas próximas à vítima devem ser ouvidas pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSG).

*Estagiária sob supervisão de Thiago Soares

Matérias Relacionadas