Prefeitura do Rio resgata 19 cavalos em uma semana de operação contra maus-tratos

Operação passou por seis bairros da Zona Oeste

Enviado Direto da Redação
Operação Comboio CCZ da Vigilância Sanitária passou por seis bairros da Zona Oeste

Operação Comboio CCZ da Vigilância Sanitária passou por seis bairros da Zona Oeste

Foto: Divulgação

A Prefeitura do Rio, por meio da Subsecretaria de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses, já resgatou 19 cavalos em uma semana da Operação Comboio CCZ na Zona Oeste para coibir a exploração de animais, prática proibida pela lei 6435 de 2018. Nesta quinta-feira (27/08), as equipes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da pasta, vinculada à Secretaria Municipal de Saúde (SMS) percorreram as ruas de Bangu e Campo Grande, como as avenidas Brasil, Cesário de Melo, Santa Cruz, Rua da Feira e Estrada do Engenho. Na ação foram encontrados quatro cavalos. Desses um apresentava lesões na orelha esquerda e nas costas por conta do uso de carroça. Os demais estão bem de saúde. 

Desde o  início da operação na quinta (20/08) foram resgatados animais 14 machos e cinco fêmeas, entre elas, uma potra. Além de Bangu e Campo Grande, os fiscais fizeram ação em Santa Cruz, Jacarepaguá, Recreio dos Bandeirantes e Barra da Tijuca. Todos os animais apreendidos foram encaminhados para o CCZ e serão liberados somente após a comprovação de posse pelos proprietários e por meio do pagamento de multa. Os animais que não são buscados pelos donos, são direcionados a ONGs de proteção animal ou a currais legalizados (com registro no Ministério da Agricultura). 

"O Centro de Controle de Zoonoses vêm ampliando suas ações com o Comboio Zoonoses, com o objetivo de diminuir o número de animais de grande porte soltos nas vias públicas ou em sofrimento no uso de transporte de cargas. Assim, estimulando a diminuição no número de acidente de trânsito e os maus-tratos", ressalta a médica-veterinária Eliane Lobato, diretora do CCZ.

Desde o início do ano, a Vigilância Sanitária já resgatou das ruas 241 animais, sendo 48 de pequeno porte e 193 de grande porte, como cavalos, bois e até um pônei.


" O abandono de animais tem proporções incontroláveis, multiplicando as populações de animais soltos em vias públicas, o que pode causar agressões, crueldade, acidentes de trânsito e até transmitir doenças para outros animais e o próprio homem", finaliza a médica-veterinária Márcia Rolim, subsecretaria da Vigilância Sanitária.

Veja também