São Gonçalo recebe evento para discutir o saneamento básico na cidade

Encontro é promovido pela Casa Fluminense

Enviado Direto da Redação
O evento também terá shows e apresentações de grupos locais

O evento também terá shows e apresentações de grupos locais

Foto: Divulgação

O acesso ao saneamento é uma promessa que não pode mais ser adiada, tamanha é a gravidade do impacto na vida das pessoas e no meio ambiente. Uma agenda do século 19 em pleno século 21. De olho no problema, a Casa Fluminense realiza hoje, o #1º Esquenta Fórum Rio 2019 na Praça do Rodo, em São Gonçalo. Realizado em parceria com o Instituto Baía de Guanabara, o movimento Acredito e outros parceiros da sociedade civil, o evento vai falar das prioridades na agenda de saneamento para o município e para a região metropolitana do Rio de Janeiro.

Este é o primeiro de uma série de três encontros antes do Fórum Rio, principal evento da Casa Fluminense, que este ano será realizado em outubro, no bairro de Santa Cruz. Em sua 13ª edição, o evento tem como objetivo fortalecer redes e fomentar a cooperação para a redução das desigualdades do Rio de Janeiro e o desenvolvimento sustentável, a partir do protagonismo de lideranças sociais, moradores, artistas, organizações da sociedade civil, universidade, instituições públicas e do setor privado.


Neste primeiro Esquenta Fórum Rio, a discussão será em praça pública a partir das 14h, no formato do evento Rodo Viva, realizado pelo movimento Acredito no centro de São Gonçalo. O debate, inspirado no programa da TV Cultura, Roda Viva, contará com a presença da pesquisadora Andreza Garcia (PPGMA/UERJ); do presidente do Instituto Baía de Guanabara, Adauri Souza; do deputado estadual Renan Ferreirinha (PSB), membro da Comissão Especial da Região Metropolitana na ALERJ; e do Henrique Silveira, coordenador executivo da Casa Fluminense e presidente do Conselho Consultivo da Câmara Metropolitana do Rio.


“Aproximadamente 9 milhões de pessoas vivem no entorno da Baía de Guanabara. Pela ausência de rede de coleta, o esgoto da maior parte das casas vai parar nos córregos mais próximos através de canos de drenagem das águas da chuva. São 55 rios desaguando 73% do esgoto da região sem nenhum tipo de tratamento todos os dias na Baía de Guanabara. Hoje as estações de tratamento poderiam tratar mais que o dobro do que tratam atualmente”, afirma Henrique Silveira.


O evento também contará com a apresentação do grupo Rede Funk Social e com a exposição “#JanelaGonçalense”, com fotos sobre o cotidiano, imagens e memórias de São Gonçalo. A curadoria de imagens é resultado do compartilhamento de fotos pelo Instagram e dialoga com os trilhas de conhecimento do Fórum Rio, que são participação social, cultura urbana e desenvolvimento do Rio.


Na ocasião, a Casa Fluminense lança uma nova edição do Boletim Agenda Rio. Com o tema “O saneamento é básico, a publicação aborda o grave cenário de ociosidade das estações que tratam um pequeno percentual de esgoto — muito abaixo da sua capacidade —, a ausência das redes de coleta domiciliares, a poluição dos rios e córregos que desembocam na Baía de Guanabara, as disputas em torno da CEDAE, e a urgência da conclusão das obras do Programa de Saneamento Ambiental Nos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara.

Veja também