Corredor de transportes da TransOceânica entra em operação

A pista começa a funcionar neste sábado (27)

Enviado Direto da Redação
A migração dos ônibus municipais para a pista exclusiva acontecerá de forma gradual

A migração dos ônibus municipais para a pista exclusiva acontecerá de forma gradual

Foto: Divulgação

Neste sábado (27), a partir do meio-dia, entra em operação o corredor de transportes da TransOceânica. A migração dos ônibus municipais para a pista exclusiva acontecerá de forma gradual. Nesta primeira fase, serão criadas três novas linhas, com ônibus automáticos no sistema BHLS, que seguirão até o Centro via túnel Charitas-Cafubá: Oceânica 1 (Piratininga x Centro), Oceânica 2 (Itaipu x Centro) e Oceânica 3 (Itaipu x Centro via Engenho do Mato).


Diferentemente do que ocorre no sistema BRT, os coletivos não trafegarão apenas no leito do corredor expresso. Os veículos terão portas dos dois lados para também circularem pelas ruas e avenidas que não contam com a via exclusiva. Niterói é a única cidade do Estado do Rio com esse modelo de transporte. 


Não haverá necessidade de baldeação, já que dos pontos finais (em Itaipu e Piratininga) até acessar a via expressa, os coletivos continuarão fazendo o itinerário atual, atendendo os passageiros nos pontos já utilizados. O valor da passagem, que atualmente é de R$ 3,90, será o mesmo das demais linhas municipais.


A população permanecerá atendida em todos os trajetos. As novas linhas Oceânicas, que seguirão até o Centro de Niterói, irão substituir as linhas 38 (Itaipu), 39 (Piratininga) e 39B (Piratininga x Charitas) e 38B (Itaipu x Charitas). Continuam em operação na Região Oceânica, sem passar pelo túnel Charitas-Cafubá, as seguintes linhas: 38A (Itaipu x Centro via Largo da Batalha), 39A (Piratininga x Centro via Largo da Batalha); 46 (Várzea das Moças x Centro via Largo da Batalha e Praia de Icaraí), 52 (Baldeador x Itaipu via Largo da Batalha) 54 (Sapê x Piratininga), 55A (Várzea X Piratininga). Apenas a linha 52A (Baldeador X Itaipu via túnel Charitas-Cafubá) sofrerá alteração. O novo trajeto será feito entre o Baldeador e Charitas. 


A via exclusiva para ônibus do sistema BHLS (Bus of High Level of Service) tem 9,3 quilômetros de extensão, 13 estações em 12 bairros e liga a Região Oceânica à Zona Sul de Niterói através do túnel Charitas-Cafubá. A obra, esperada há mais de 40 anos pelos niteroienses, irá reduzir o tempo de percurso em cerca de 30% e beneficiará 125 mil pessoas diariamente. 


O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, enfatizou que o BHLS é uma evolução do BRT e foi desenvolvido em Niterói a partir de estudos de casos nacionais e internacionais bem-sucedidos.


“Este projeto é uma vitória para Niterói, melhorando a qualidade urbana e a mobilidade da Região Oceânica”, disse Neves. “ O projeto da TransOceânica teve o maior licenciamento ambiental de Niterói, passou por mais de 50 órgãos de licenciamento e aprovação de projetos federais, estaduais e municipais. Foi um projeto executado com muita seriedade”.


O prefeito ressaltou também que a obra transformou a Estrada Francisco da Cruz Nunes. “A via não tinha iluminação, praticamente não tinha calçadas, não tinha infraestrutura, drenagem e alagava com qualquer chuva. A Francisco da Cruz Nunes ganhou iluminação de LED, recebeu calçadas, recebeu obras de infraestrutura com galerias de águas pluviais e, deixando a via funcional para as próximas décadas”, pontuou.


O secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão, Axel Grael, explicou que a operação do corredor viário permitirá a migração de 44% do tráfego de ônibus municipais para a pista exclusiva. “A operação do corredor possibilitará uma redução no tempo de viagem do usuário em cerca de 30%”, afirmou Grael.


Com piso na altura do passeio público, os novos ônibus têm ar-condicionado, capacidade para 90 passageiros e são adaptados para o transporte de deficientes físicos. A velocidade máxima permitida para os coletivos será de 40 km/h no corredor expresso e 30 km/h nas estações. Todas as 13 estações do BHLS terão câmeras de segurança, painéis que informarão o tempo de chegada de cada ônibus, onde os usuários poderão acompanhar a localização dos coletivos no mapa, além de bicicletário com 10 vagas.


O secretário municipal de Urbanismo, Renato Barandier, destacou que este é um dos projetos de transporte público mais avançados dos país e que o sistema permitirá um salto de qualidade nos deslocamentos da população da cidade, especialmente para a Região Oceânica.


“Já na primeira fase, a migração dos ônibus das pistas de asfalto para o corredor exclusivo irá beneficiar não só quem anda de ônibus, mas também o trânsito de automóveis e outros veículos. Uma das inovações das estações do BHLS, além da arquitetura arrojada, é que todas contam com painéis que informarão o tempo de chegada de cada ônibus”, finalizou.

Veja também