Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down Euro down 5,4907
Search

Grupo composto por 2 PMs e dois seguranças de escola de samba matou 'bicheiro' Fernando Iggnácio

Os policiais suspeitos abandonaram os batalhões onde serviam, no Rio e SP, e estão foragidos, juntos com 2 seguranças de escola de samba

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 27 de novembro de 2020 - 00:00
Imagem ilustrativa da imagem Grupo composto por 2 PMs e dois seguranças de escola de samba matou 'bicheiro' Fernando Iggnácio

O Portal dos Procurados-RJ divulgou, nesta quinta-feira, (26), cartaz para ajudar nas investigações da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) com informações que levem à localização e prisão do Cabo da Policial Militar do Rio, Rodrigo Silva das Neves, de 30 anos; do Policial Militar do Estado de São Paulo, Otto Samuel D'Onofre Andrade Silva Cordeiro; o Otto; do ex-PM do Rio Pedro Emanuel D’Onofre Andrade Silva Cordeiro, o Pedrinho, de 29 anos e Ygor Rodrigues Santos da Cruz, o Farofa, de 25 anos. Eles são os principais suspeitos de envolvimento na morte do contraventor Fernando Iggnácio.  Todos são considerados foragidos da Justiça.

No dia seguinte ao crime, que aconteceu na terça dia 10, agentes da Delegacia de Homicídios, coordenados pelo delegado titular da especializada,  Moyses Santana, traçaram a rota de fuga dos assassinos, após a emboscada ao contraventor, que havia chegado de Angra dos Reis, no sul fluminense. Por meio de câmeras de segurança, eles chegaram a um condomínio residencial em Campo Grande, na Zona Oeste, a cerca de 40 km de distância do local onde Iggnácio foi executado, em um heliporto na Barra da Tijuca. 

Quando os agentes chegaram ao local, encontraram as armas em dois cômodos do imóvel no qual reside a namorada do Cabo Neves. Um fuzil FAL 7,62, dois AK-47 e um AR-15 foram apreendidos. Uma perícia preliminar apontou que o FAL 7,62 foi usado no atentado contra o bicheiro. Uma das imagens das câmeras de segurança, mostra uma cena dos quatro saindo do local rindo, sem demonstrar que haviam acabado de cometer um homicídio. Eles teriam ido ao local para esconder dois fuzis, um Fal e um AK-47, usados no crime.

Depois da morte do bicheiro, o agente da polícia paulista nunca mais apareceu para trabalhar na corporação. O Cabo Neves, o primeiro suspeito a ser identificado, chegou trabalhar no domingo das eleições do primeiro turno, quando escoltou urnas, mas depois não foi mais visto em serviço. Pedrinho e Farofa  teriam atuado com seguranças de uma escola de samba da Zona Oeste do Rio de Janeiro. 

A polícia descobriu que o bando teria como área de atuação o bairro de Realengo, na Zona Oeste do Rio. Em face do exposto, considerando-se as razões expostas, bem como a manifestação ministerial favorável, a pedido do delegado Moyses Santana,  foi decretada a prisão temporária dos suspeitos, pela 1ª Vara Criminal da Comarca do Rio de Janeiro, Nº do Mandado de Prisão: 002063379-28.2020.8.19.00001.01.0004-01, pelo crime de Homicídio Qualificado (Art. 121, § 2º - CP)

Quem tiver qualquer informação a respeito da localização dos envolvidos, que ainda se encontram em liberdade, pode denunciar anonimamente pelos seguintes canais: Whatzapp Portal dos Procurados: (21) 98849-6099 Facebook/(inbox): https://www.facebook.com/procuradosrj/,Telefone do Disque-Denúncia (21) 2253-1177 APP “Disque Denúncia RJ “. https://twitter.com/PProcurados (mensagens). Todas as informações sobre o caso serão encaminhadas para DHC que está encarregada do caso e do inquérito criminal.

Matérias Relacionadas