Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar up 5,3317 Euro up 5,5605
Search

Polícia procura PM suspeito de execução de 'bicheiro' Fernando Iggnácio

Quatro armas foram apreendidas no imóvel do suspeito. Duas delas teriam sido usadas no crime. Outros 3 suspeitos também estão foragidos

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 18 de novembro de 2020 - 19:10
Rodrigo da Silva Neves, cabo da Polícia Militar, é foragido da polícia e está sendo procurado pelo assassinato de Fernando Iggnácio
Rodrigo da Silva Neves, cabo da Polícia Militar, é foragido da polícia e está sendo procurado pelo assassinato de Fernando Iggnácio -

Nesta quarta-feira (18) foi divulgado pelo Portal dos Procurados, um cartaz para ajudar os policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), com informações que possam levar a localização e prisão de um policial militar, apontado como suspeito de participação no plano de morte do contraventor Fernando Iggnácio, ex-genro e herdeiro de Castor de Andrade.

O suspeito foi identificado como Rodrigo da Silva Neves, cabo da PM da ativa e lotado no 5ºBPM (Praça da Harmonia). Existe um mandado de prisão contra o militar, expedido pela Justiça, a pedido de Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio. As equipes da DH anunciaram, nessa quarta-feira que estão em processo de investigação para identificar outros três acusados da morte de Fernando Iggnácio, que teriam agido junto com o PM na execução do contraventor, na semana passada, em um heliporto do Recreio dos Bandeirantes.      

O assassinato aconteceu no dia 10 de novembro, quando Iggnácio retorno de helicóptero de Angra dos Reis, na Costa Verde, onde havia passado o fim de semana junto com a mulher.  A vítima sofreu uma emboscada e acabou sendo apanhada de surpresa logo após deixar a aeronave para apanhar a caminhonete blindada que estava estacionada no heliporto. Os criminosos agiram como se conhecessem os hábitos do 'bicheiro' e sabiam que ele havia voltado ao Rio de Janeiro sem os seguranças. Iggnácio foi atingido por cinco tiros de fuzil.

As câmeras de vigilância auxiliaram nas investigações, e a DHC conseguiu rastrear o trajeto, identificando o imóvel onde as armas do crime e o veículo usado para a fuga estavam. Os policiais chegaram ao local na noite de terça-feira (17), em uma operação secreta. Foram apreendidos quatro fuzis, e ao menos dois deles foram usados no dia do crime.

Foram encontradas um fuzil FAL e uma Ak-47, e além dessas outras duas armas estão sendo analisadas, sendo outro Ak-47 e um Ar-15. Os armamentos tinham camuflagem presa na sua ponta, com o objetivo claro de não ser identificado em área de mata, visto que os criminosos se esconderam em um terreno baldio com vasta vegetação.

De acordo com o delegado Moysés Santana, titular da DH, não há como descartar nenhuma linha de investigação. Contudo, ainda não existe provas da participação do grupo criminoso conhecido como Escritório do Crime. “Paralelamente à espera da perícia das armas, aguardamos exames de papiloscópica no armamento para identificar os outros autores por meio das digitais”, completou o delegado

Qualquer informação a respeito da localização do foragido da Justiça, pode ser feita, anonimamente, pelos seguintes canais: Whatzapp Portal dos Procurados: (21) 98849-6099, Facebook/(inbox): https://www.facebook.com/procuradosrj/, telefone do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, APP “Disque Denúncia RJ “, https://twitter.com/PProcurados (mensagens).

Matérias Relacionadas