'Alerta Vermelho': tráfico tenta impor 'curral eleitoral' em pelo menos 5 bairros de SG

TRE e 'força tarefa' estão 'de olho' em candidatos que buscam apoio de grupos milicianos e quadrilhas que agem em comunidades

Enviado Direto da Redação

Com a proximidade das eleições municipais, marcadas para 15 de novembro, as autoridades responsáveis por garantirem a lisura dos votos, através da livre escolha dos candidatos, com direito pleno de ir e vir, tanto para quem vai votar, como de quem vai às ruas fazer campanha, estão com o 'alerta vermelho' ligado. É que, em pelo menos cinco bairros de São Gonçalo, o segundo maior colégio eleitoral do Estado do Rio, traficantes de drogas estariam tentando impor regras, apoiando candidatos a vereadores das comunidades em que atuam e proibindo que os adversários façam campanha nesses locais. Já os candidatos a prefeito, de acordo com as denúncias que estão sendo apuradas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), teriam que pagar uma 'taxa de pedágio' para poderem fazer campanha nessas comunidades. 


Em São Gonçalo, as denúncias recebidas pelo TRE-RJ apontam que as proibições de campanhas de candidatos de fora estariam ocorrendo nas comunidades dos bairros Boavista, Paraíso, Barro Vermelho, Pita e Neves, redutos controlados, segundo a polícia, pelo 'Comando Vermelho' (CV). No Boavista, por exemplo, traficantes do Morro do Abacatão estariam permitindo que apenas um candidato a vereador, que já tem mandato e tenta a reeleição, e o postulante a prefeito que ele apoia, façam campanha. O mesmo candidato também estaria sendo privilegiado pela exclusividade de fazer campanha no Morro do Feijão, no Paraíso.


"Quando vamos fazer campanha no Paraíso e no Boavista, assim que chegamos às ruas principais, já recebemos 'recados' de que não podemos entrar nas comunidades. Os emissários, geralmente rapazes em motos, dizem que por ordem do 'chefe', apenas um candidato pode entrar e fazer campanha", denuncia um candidato a vereador em São Gonçalo, que tem trabalhos sociais nesses dois bairros. 


Já no Barro Vermelho e Pita, o TRE e o Ministério Público Eleitoral (MPE) já investigam, desde o final do ano passado, denúncias sobre o 'apoio' dado pelo traficante Leilson Ferreira Fernandes, o 'Pivete', de 34 anos, a um candidato a vereador ligado à sua família, que desde os anos 90, segundo a Polícia Civil, controla o tráfico de drogas e os serviços clandestinos de TV a cabo e internet, venda de gás, além de atuar no roubo de cargas.


Leilson Ferreira Fernandes, o 'Pivete'
Leilson Ferreira Fernandes, o 'Pivete' | Foto: Divulgação

A equipe de fiscalização do TRE-RJ', tem informações de que Pivete', que possui oito mandados de prisão em aberto, tem organizado bailes 'proibidões', todos os finais de semana, em diversas localidades do Complexo do Zumbi, que abrange várias comunidades, para divulgar o nome de seu familiar como único candidato a vereador autorizado a fazer campanha naquela região. Um dos principais locais onde esses bailes/comícios tem acontecido é o 'Pistão da China', na famosa Rua da Feira. 


O apoio ao candidato a vereador escolhido pela família de 'Pivete' se estende ao vizinho  Complexo da Coruja, um dos dois maiores redutos do 'CV' na cidade, onde, mesmo preso, Walace Batista Soalheiro, o 'Pixote', comanda o tráfico, que recebeu como 'herança' de Luiz Carlos Gomes Jardim, o 'Luiz Queimado, que foi um dos principais 'chefões do 'CV' no Estado do Rio, até morrer de câncer nos ossos, em 2019, na Bahia, onde estava preso num presídio federal. Na Favela do Gato, no Gradim, também existe a ordem para que seja feita propaganda do candidato apoiado pelos traficantes do 'CV'.      


Walace Batista Soalheiro, o 'Pixote'
Walace Batista Soalheiro, o 'Pixote' | Foto: Divulgação



"Apenas candidatos a vereador oriundos das comunidades podem fazer campanha. Mas existem também tentativas de extorsão, com cobranças de valores que podem chegar a R$10 mil" para a realização de um corpo a corpo de um candidato a prefeito", revelou a O SÃO GONÇALO um candidato a vereador que foi 'aconselhado' a não fazer campanha nas comunidades do Paraíso.


Curiosamente, diferentemente do que ocorreu nas eleições de 2016, segundo fontes no Complexo do Salgueiro e no Jardim Catarina, grandes redutos do CV em São Gonçalo, candidatos estariam sendo autorizados a fazerem suas campanhas nessas comunidades, bastando pedir autorização aos traficantes. O objetivo seria não chamar atenção e evitar intervenções permanentes das forças de Segurança Pública nesses locais, considerados pontos estratégicos da facção criminosa na região. 


O TRE informou que as investigações das denúncias prosseguem junto com o Ministério Público Eleitoral, e que com a produção sólida de provas, pretende punir judicialmente com rigor os candidatos envolvidos com organizações criminosas. No site do TRE-RJ é possível denunciar por meio do canal e-Denúncia, através do link TRE-RJ - E-Denúncia Registrar Denúncia.  


Todas as denúncias estão sendo apuradas
Todas as denúncias estão sendo apuradas | Foto: Divulgação/ Arquivo



Quem tiver qualquer informação a respeito da localização de criminosos ou candidatos que estejam tentando criar 'currais eleitorais', também pode denunciar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram Portal dos Procurados (21) 98849-6099; pelo facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/, pelo mesa de atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo aplicativo para celular.

Leia amanhã: Niterói ocupa comunidades e ex-líder do 'CV' ganha apoio em redutos do tráfico 

Veja também