Ameaçada de morte, Talíria Petrone volta a receber escolta durante licença-maternidade

Deputada do PSOL está recebendo proteção desde sábado (15)

Escrito por Redação 21/08/2020 15:24, atualizado em 21/08/2020 16:10
Deputada Talíria Petrone está com escolta armada desde sábado (15), após receber ameaças de morte
Deputada Talíria Petrone está com escolta armada desde sábado (15), após receber ameaças de morte . Foto: Divulgação/ Câmara dos Deputados

De licença-maternidade, a deputada federal Talíria Petrone (PSOL) voltou a receber ameaças de morte e está recebendo proteção da Polícia Legislativa desde sábado (15). As autoridades tiveram ciência das ameaças após receberem uma denúncia do disque-denúncia do Rio de Janeiro.

Através das redes sociais, Talíria disse que não vai recuar. Não nos calarão! Seguiremos firmes na luta para defender a democracia e derrotar a política genocida em curso!”, escreveu ela em seu Twitter. Outros políticos manifestaram indignação e apoio à deputada.

"

Não nos calarão! Seguiremos firmes na luta para defender a democracia e derrotar a política genocida em curso!"- Talíria Petrone

O pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos (PSOL) escreveu: “Minha grande amiga Talíria está recebendo ameaças de morte mesmo de licença-maternidade depois do nascimento da filha. Esse é o preço que pagamos quando a Justiça não desmonta a rede de ódio de milicianos e bolsonaristas”.

O deputado Ivan Valente (PSOL) também deixou sua mensagem de apoio: “Toda solidariedade à nossa companheira de bancada. Seu mandato combativo, sem medo de enfrentar os poderosos incomoda muita gente, As ameaças covardes feitas a ela precisam ser investigadas com rigor e seus autores presos. Basta de violência”.

Ameaças após a morte da vereadora Marielle Franco

Essa é a segunda vez que a deputada fez uso de escolta. Em 2018, logo após a morte da vereadora Marielle Franco, Talíria recebeu mensagens de ameaças e precisou usar escolta por cinco meses. "Havia um clima em Niterói até mais tenso do que na capital. Ela me dizia para eu ficar mais atenta. Eu ia de bicicleta e ônibus para a Câmara. Depois da morte dela, fiquei por cinco meses com escolta. Não ando mais pela cidade como eu andava. Mudou radicalmente a minha vida”, disse a deputada em 2018.

Em junho de 2019 a Polícia Federal, após investigar denúncias, descobriu conversas na chamada Dark Web ou Deep Web em que alguns perfis tratavam planos contra Talíria em 2018.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas