Apenas um PM envolvido em esquema de extorsão de comerciantes em Niterói foi preso

Outros quatro agentes respondem em liberdade

Enviado Direto da Redação
Seis pistolas, R$ 260 mil em espécie, carregadores, aparelhos telefônicos, cheques e outros materiais foram apreendidos

Seis pistolas, R$ 260 mil em espécie, carregadores, aparelhos telefônicos, cheques e outros materiais foram apreendidos

Foto: Divulgação


Por Alan Emiliano


Apenas um dos policiais militares envolvidos em suposto esquema de caça-níquéis descoberto pela Corregedoria da Polícia Militar, na tarde desta segunda-feira (23), na Praça do Barreto, em Niterói, foi autuado por porte ilegal de arma de fogo. Outros quatro agentes detidos na ação responderão em liberdade. 


De acordo com a PM, agentes da Corregedoria da corporação foram até o local com o objetivo de combater uma quadrilha controladora de máquinas caça-níquéis e que realiza cobrança ilegal a comerciantes do bairro. Durante a ação, os policiais encontraram quatro veículos em atitude suspeita próxima a praça do bairro. Na abordagem, foram encontradas oito pessoas, sendo cinco policiais militares, no interior de quatro veículos - um Volkswagen Amarok, dois Jepp Compass e um Nissan March.


Na operação, foram apreendidos seis pistolas, 14 carregadores, 209 munições, 8 aparelhos telefônicos, R$ 260 mil em dinheiro, além de seis cheques com valor variando entre R$ 1,6 mil, R$ 7 mil e R$ 10 mil. Foram apreendidos também: 9 cartões de bancos diversos,  3 HD externos, 34 placas de computadores, 5 Pen drive, 2 alianças com chaveiro aparentemente de ouro, 1 colete balístico, 1 tablet, 2 cadernos com anotações e controle de máquinas, 1 touca ninja,  1 camisa de manga longa preta e cobertura da PM.


Entre os policiais envolvidos na quadrilha estavam um cabo do 7ºBPM (São Gonçalo), um sargento do 14ºBPM (Bangu), um sargento do Comando de Policiamento Ambiental (Cpam), um sargento do 31ºBPM (Barra da Tijuca) e um sargento do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Todos os envolvidos foram detidos e levados para a 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM), em Niterói, e ao final dos depoimentos, apenas um agente militar foi autuado e preso por porte ilegal de arma de fogo. Ele foi levado para a Unidade Prisional da Polícia Militar, no Fonseca. 


O caso foi registrado na 76ºDP (Centro), onde a Polícia Civil busca mais informações sobre as formas de atuação e possível outros envolvidos no esquema criminoso. 


Veja também