Ex-PM mata assaltante e tenta ocultar cadáver em São Gonçalo

Ação foi flagrada por câmeras de segurança

Enviado Direto da Redação
Homem se entregou e confessou o crime

Homem se entregou e confessou o crime

Foto: Reprodução


Por Thuany  Dossares


O ex policial militar Cristiano Macedo Gomes foi preso acusado de assassinar e esconder o corpo de um homem que tentou assaltar o posto de combustíveis onde ele fazia segurança, em Tribobó, São Gonçalo. Parte do crime foi flagrado por populares que filmaram a ação. O ex-PM se entregou na Divisão de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG), na última sexta-feira (5) e confessou a execução.


O crime começou na noite do dia 26 de junho, no posto Shell, localizado na Avenida Visconde Santarém, às margens da RJ 104, na pista sentido Alcântara. No entanto, o corpo do suspeito, identificado como Jeferson da Conceição Santana, o Paixola, só foi encontrado na manhã do dia seguinte, carbonizado, em Guaxindiba. 

De acordo com a apuração da DH, Jeferson, que é oriundo do Novo México, chegou no estabelecimento, por volta das 21h50, junto com mais um comparsa, numa motocicleta cinza. A dupla se aproximou de uma das bombas de combustível e anunciou o assalto. Enquanto recolhiam o dinheiro e os pertences que estavam com os frentistas, os assaltantes foram surpreendidos por Cristiano, que realizava a segurança do posto e reagiu a ação criminosa. 

Ainda segundo a especializada, após balear Jeferson, o ex-PM pegou seu próprio carro, um Corolla preto e colocou o suspeito no porta-malas do veículo, com ajuda de outras pessoas que estavam no posto. Esse momento foi flagrado por um popular que realizou filmagens. No vídeo é possível observar que Jeferson ainda estava vivo e lutava para não ser colocado na mala. O comparsa dele conseguiu escapar. 

Familiares de Jeferson ficaram sabendo do ocorrido e ao notarem seu desaparecimento, foram até o Posto Shell, na manhã do dia 27, mas os funcionários afirmaram que nada havia acontecido no local. Logo depois, os parentes da vítima viram nas redes sociais uma publicação que informava que um corpo havia sido deixado na Rua 14, em Guaxindiba. A postagem tinha uma foto de Jeferson, já morto, com a camisa ensanguentada e com ferimentos no rosto e pescoço. Eles foram até o endereço, mas nada foi achado. 

Momentos depois, às 10h30, a DH foi acionada para uma ocorrência de um corpo carbonizado dentro de um Chevrolet Prisma, que constava como roubado, na Estrada de Guaxindiba. Familiares reconheceram que a vítima era Jeferson devido a um cordão com pingentes de crucifixo e do escudo do Flamengo. 

Os agentes da DH identificaram Cristiano como um dos autores do crime no último dia 2 e solicitaram à justiça um mandado de prisão temporária por homicídio, ocultação de cadáver e fraude processual. Dois dias depois, equipes da delegacia foram até o posto de combustíveis para realizar perícia técnica e diligências, mas foram informados sobre o sumiço da gravação das câmeras de monitoramento e do CPU do computador. O estabelecimento foi interditado pela Divisão de Homicídios e, desde então, não está funcionando. 

Na sexta-feira (5), Cristiano chegou na sede da especializada, em Niterói, acompanhado de um advogado e se entregou. Durante depoimento, o ex-PM confessou o crime. A DH ainda irá realizar novas diligências para esclarecer o caso e investiga a participação de mais pessoas no crime.

Veja também