Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down 5,2536 Euro down 5,5015
Search

Dupla suspeita de roubos de cargas é morta em São Gonçalo

Caso aconteceu na manhã de ontem no Mutuapira

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 17 de fevereiro de 2018 - 07:29
Impresso- Auto de resistência com dois mortos no Querosene
Impresso- Auto de resistência com dois mortos no Querosene -

Suspeitos de tráfico de drogas, Jorge Luiz Figueiredo Santos, 21, o Gordinho, e Izaías Nunes Ferreira da Conceição, 25, o Baianinho, foram mortos durante troca de tiros entre traficantes e policiais do 7ºBPM (São Gonçalo), na manhã de ontem, no Morro do Querosene, no Complexo do Mutuapira.

Gordinho era apontado pela PM como um dos envolvidos na morte do soldado Ivanderson da Silva Pinheiro, 38, lotado no 7ºBPM (São Gonçalo), executado durante tentativa de assalto, na Avenida Paula Lemos, no Mutuá, em São Gonçalo, em janeiro.

Por volta das 8h, policiais do Grupamento de Ações Táticas (Gat) conseguiram surpreender os criminosos atuando na ‘boca de fumo’, localizada na entrada principal da comunidade.

Houve confronto e os criminosos tentaram fugir, mas dois suspeitos acabaram baleados, morrendo em duas vielas diferentes da comunidade. Com os suspeitos a polícia apreendeu uma pistola, de origem israelense, uma espingarda calibre 12, carregador, munições, dois rádios comunicadores e 313 tabletinhos de maconha.

A operação foi articulada para reprimir os roubos de cargas que ocorrem rotineiramente na região da comunidade. No alto do morro, um terreno vinha sendo utilizado como depósito de produtos roubados. Familiares dos mortos foram ao local, mas não falaram com a imprensa.

Os corpos foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) de Tribobó, em São Gonçalo. O material apreendido foi levado para a 72ªDP (Mutuá) e o caso registrado como morte decorrente de intenção policial (auto de resistência).

Comércio - Logo após o fim da operação, criminosos armados de fuzis e pistolas foram até a principal via do bairro, a Avenida Paula Lemos, e ordenaram o fechamento dos comércios, em ‘luto’ pela morte dos criminosos.

Matérias Relacionadas