Moradores estão assustados com onda de assaltos em rua do Mutondo

Enviado Direto da Redação
Moradores se queixam da falta de patrulhamento na região

Moradores se queixam da falta de patrulhamento na região

Foto: Divulgação

Passos apressados, objetos de valor escondidos e bolsa somente com o indispensável. Essa é a atual realidade de quem precisa circular pela Travessa Carlos Cruz, no Mutondo, em São Gonçalo. Segundo dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro, somente em agosto cerca de 60 roubos foram cometidos por dia no município. A rua residencial é bastante conhecida também por abrigar duas grandes igrejas. Mas o vaivém de pessoas tem diminuído, por conta do número de assaltos crescente no local. Com isso, são os moradores do local que não se sentem seguros nem para ficar na calçada. “Antes, os vizinhos paravam para conversas na calçada. Vivíamos de portão aberto, e a rua era cheia de crianças brincando. Hoje, a rua vive deserta com pessoas que passam sempre andando rápido e com medo”, desabafou uma dona de casa, de 32 anos, que mora no local desde que nasceu.

Durante o tempo que permaneceu no local, a equipe de O SÃO GONÇALO escutou, pelo menos, quatro histórias de roubos que aconteceram ao longo da semana passada.

“A gente está fazendo o que pode. Busco minha filha no ponto de ônibus. Evito circular com coisas de valor e peço a Deus para ser protegido. Isso aqui está entregue aos bandidos. Vocês podem ficar o dia inteiro aqui que não vão ver passar um carro de polícia.”, desabafou um aposentado. Para tentar amenizar o perigo, moradores instalaram holofotes em postes para aumentar a iluminação da rua. Mas isso também não tem intimidado os criminosos, que agem a qualquer hora do dia. A Travessa Carlos Cruz tem saída para diversos lugares, o que favorece a fuga dos criminosos. Procurada para comentar o problema, a Polícia Militar não respondeu à reportagem de OSG. (Renata Sena)

Veja também