Estudante é baleado na saída do Cederj no Gradim

Enviado Direto da Redação
Um dos tiros atingiu o braço do universitário, que conseguiu voltar ao Cederj para pedir ajuda

Um dos tiros atingiu o braço do universitário, que conseguiu voltar ao Cederj para pedir ajuda

Foto: Alex Ramos

Por Marcela Freitas

Um estudante de Administração do Centro de Educação a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cederj), de 37 anos, foi baleado no fim da tarde de sábado, na saída da aula no polo do Gradim, em São Gonçalo. Ele seguia para um ponto de ônibus na BR-101, quando foi atingido por um tiro de raspão, ao presenciar um assalto.

De acordo com a vítima, ele não percebeu que duas mulheres estavam sendo assaltadas por um motoqueiro e seguiu em direção ao ponto de ônibus. Ele acredita que, provavelmente, o assaltante se assustou com a presença dele e atirou em sua direção duas vezes. Um dos tiros atingiu de raspão um de seus braços e costas. Logo após os tiros, o assaltante fugiu.

Um dos tiros atingiu o braço do universitário, que conseguiu voltar ao Cederj para pedir ajuda do. “Eu vi o rapaz no ponto, mas achei que ele estava pedindo informação às jovens. Não vi que era um assalto. Quando ele me viu se aproximando deles, atirou. Graças a Deus, foi de raspão e o pior não aconteceu. Eu fui mais uma vítima dessa violência”, afirmou o estudante.

Após ser baleado, o universitário voltou correndo ao pólo para pedir ajuda. Ele, então, foi socorrido e levado ao Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê, onde foi medicado e recebeu alta.

Uma estudante do Cederj reclamou da falta de segurança no local. “Eu saí 20 minutos antes dele e poderia ter sido comigo. Ando a pé até o Paraíso, por falta de ônibus, correndo risco de ser assaltada, o que é muito comum ali. Há falta de policiamento. Não temos nenhuma segurança ao redor do polo. Ficamos sempre com medo. Por ser próximo a BR-101 (Rodovia Niterói-Manilha), ali acaba sendo rota de fuga de criminosos”, disse Janilce Magalhães, aluna do 5º período de Licenciatura em Turismo. O crime foi registrado na 74ª DP (Alcântara).

Veja também