Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 5,1515 | Euro R$ 5,5085
Search

Polícia cumpre, em Niterói, mandado na casa de advogado

alvo é suspeito de deixar carta falsa sobre bomba na OAB

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 16 de fevereiro de 2023 - 23:08
A ação aconteceu nessa quinta-feira
A ação aconteceu nessa quinta-feira -

Agentes da 1ª DP (Praça Mauá) cumpriram nesta quinta-feira (16) um mandado de busca e apreensão na casa de um advogado suspeito de espalhar ao menos três cartas na sede da OAB-RJ, nesta quarta-feira (15), com falsas ameaças de bomba – após varredura, nenhum artefato foi encontrado. 

Testemunhas já começaram a prestar depoimento na distrital. Os mandados foram expedidos pelo Tribunal de Justiça do Rio. 

Os agentes recolheram celular, computador, notebook e documentos. O advogado mora em Santa Rosa, bairro nobre de Niterói, na Região Metropolitana. O homem não foi encontrado.

Por conta das mensagens, o prédio precisou ser esvaziado às pressas e só voltou a funcionar cerca de 3 horas depois de uma varredura do Esquadrão Antibombas da Polícia Civil, que nada encontrou. A sede funciona normalmente nesta quinta-feira (16).

De acordo com os investidores, as imagens do circuito interno do prédio mostram algumas pessoas transitando pelos locais onde as mensagens foram encontradas. Por conta disso, todas elas serão intimadas a prestar depoimento. 

Segundo fontes da Polícia Civil e da OAB-RJ, um dos suspeitos é o advogado que havia sido punido horas antes pelo Conselho de Ética do Órgão por ter ficado com o dinheiro de um cliente. 

O advogado foi suspenso das atividades por 2 meses. Testemunhas teriam o visto mexendo em uma pasta com papéis em um dos banheiros do 7º andar, no mesmo local onde uma das cartas foi encontrada. 

As mensagens estavam em três locais: no 4º e 7º andar e em um dos elevadores do edifício. Os papéis foram encontrados por funcionários da limpeza da OAB.

Antes do prédio ser esvaziado, havia uma cerimônia, no 4º andar, de entrega de carteiras da ordem para 60 novos advogados e advogadas. Ao todo, cerca de 250 pessoas estavam no espaço, que foi esvaziado imediatamente após o anúncio da suposta bomba. 

Depois da liberação do prédio pela Polícia Civil e pelo Corpo de Bombeiros, policiais da 1ª DP e papiloscopistas do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) buscaram por câmeras e possíveis digitais do suspeito.

Neste primeiro momento, o caso está sendo investigado pela 1ª DP. Entretanto, a investigação será transferida para a 5ª DP (Mém de Sá).

Após a liberação do edifício, Luciano Bandeira, presidente da OAB-RJ, evitou comentar sobre o possível suspeito. Bandeira afirmou que não poderia especular o motivo da pessoa ter colocado das mensagens no prédio. 

“A Polícia Civil vai conduzir uma investigação para saber quem foi o responsável. Todas as câmeras já estão em poder da Polícia Civil e eles fizeram um trabalho de papiloscopia”, disse Bandeira. 

“Agora, cabe a eles descobrir quem fez isso. Espero que quem fez isso seja punido. Não temos nenhuma ideia da motivação”, completou.

Matérias Relacionadas