Comerciante é condenado a 12 anos por matar moradora de rua

O crime teve lugar na Barão de Amazonas, em janeiro de 2019

Escrito por Redação 11/04/2022 14:52, atualizado em 11/04/2022 14:58
Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG)
Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG) . Foto: Divulgação

O comerciante Aderbal Ramos de Castro, de 46 anos, foi condenado a 12 anos de prisão em regime fechado pelo assassinato da moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, na Rua Barão do Amazonas, no Centro de Niterói, no dia 16 de janeiro de 2019. 

O Tribunal de Justiça de Niterói indiciou Aderbal pelos crimes de homicídio duplamente qualificado consumado e porte ilegal de arma de fogo. O caso foi investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG).

Segundo as investigações, o réu teria disparado contra a moradora de rua após ela pedir R$ 1 para comprar pão. Imagens de câmeras de segurança no local mostram Zilda gesticulando com o homem, que tenta se afastar sem sucesso, saca uma arma da cintura e dispara pelo menos duas vezes contra ela.

A defesa de Aderbal alegou que ele estava traumatizado por já ter sido assaltado duas vezes a caminho do trabalho. Contudo, como explicado pela juíza da 3ª Vara Criminal de Niterói, Nearis Arce, em sua decisão, a vítima não estava armada e nem sequer fez menção de estar, porquanto não há nenhum fato que justifique o ato como legítima defesa.

"Com audácia extremamente reprovável, ao efetuar disparo contra a vítima, em plena via pública e à luz do dia, quando esta lhe abordou para pedir esmolas. Revelam-se claras, portanto, a frieza e o menosprezo pela vida humana durante o desempenho da empreitada criminosa praticada pelo réu, posto que a jovem vítima, de aproximadamente 30 anos de idade, foi atingida por PAF em região notoriamente vital (abdômen), caindo ao chão em seguida, e deixada ferida no local, enquanto o réu seguiu para o trabalho a pé, como confirmado pelo próprio em Juízo, sem que tenha sequer prestado socorro ou mesmo efetuado uma ligação para tanto.", concluiu ela.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas