Delivery de drogas: MPRJ e Polícia Civil deflagram operação contra traficantes que utilizavam conta no WhatsApp para fornecer entorpecentes

Grupo criminoso realizava o comércio ilícito de drogas por meio do sistema de delivery

Escrito por Redação 17/09/2021 06:53, atualizado em 17/09/2021 07:47
De acordo com a denúncia, o grupo utilizava a ferramenta do WhatsApp Business para facilitar o contato com os usuários
De acordo com a denúncia, o grupo utilizava a ferramenta do WhatsApp Business para facilitar o contato com os usuários . Foto: Divulgação

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/RJ), com apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ), e a Polícia Civil, através da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (DESARME) e com o apoio da Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), deflagraram, nesta sexta-feira (17/09), a operação Batutinhas para cumprir 18 mandados de prisão e 31 de busca e apreensão contra integrantes de um grupo criminoso que realizava o comércio ilícito de entorpecentes por meio do sistema de delivery.

A denúncia foi recebida pelo Juízo da 19ª Vara Criminal da Capital, responsável pela expedição dos mandados. Os mandados estão sendo cumpridos nos bairros do Flamengo, Inhaúma, Campo Grande, Guaratiba, Rio Comprido, Maracanã, entre outros.

De acordo com a denúncia, o grupo utilizava a ferramenta do WhatsApp Business para facilitar o contato com os usuários, os quais acessavam a conta comercial do aplicativo “Alfafa Batutinha Best Quality Drugs” para realizar a encomenda da droga.

O denunciado Alluan de Almeida Brito Araújo, vulgo Alfafa, é apontado como líder da associação, sendo o responsável pela manutenção da citada conta comercial do WhatsApp e do contato direto com os clientes/usuários, em sua grande maioria, moradores da Barra da Tijuca e de bairros localizados na zona sul do Rio de Janeiro.

Alluan já havia sido preso em flagrante em abril deste ano quando ia realizar a entrega de 1,5kg de maconha no Leblon. O grupo contava ainda com a participação de fornecedores, entregadores/motoristas, seguranças e integrantes responsáveis pelo estoque das drogas.

Todos os denunciados irão responder por associação ao tráfico e alguns responderão também por tráfico de drogas, receptação e resistência qualificada.  

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas