Da ascensão à queda: conheça a vida de Hello Kitty e Vinte Anos no mundo do crime

Dupla morreu nesta sexta-feira (16) durante operação da PM

Escrito por *Claudionei Abreu 16/07/2021 14:39, atualizado em 16/07/2021 13:54
Hello Kitty e Vinte Anos se conhecem no mundo do crime e nele foram da ascensão à queda
Hello Kitty e Vinte Anos se conhecem no mundo do crime e nele foram da ascensão à queda . Foto: Divulgação/Redes Sociais

Uma das duplas mais perigosas e procuradas de São Gonçalo foi morta nesta sexta-feira (16), durante uma operação da Polícia Militar no Complexo do Salgueiro. Rayane Nazareth Cardozo, a Hello Kitty, e seu 'padrinho', Alessandro Luiz Vieira Moura, o Vinte Anos, morreram juntos. Os dois se conheceram no mundo do crime, chegaram à ascensão juntos e, também juntos, tiveram o mesmo fim.

Com apenas 21 anos, Rayane Nazareth Cardozo, conhecida pelo apelido 'Hello Kitty', ascendeu rapidamente no mundo do crime. Conquistando a simpatia de traficantes do Comando Vermelho (CV), a jovem também era reconhecida como a "dama do tráfico". Além de ser uma figura simbólica importante para a facção, ela também atuava na linha de frente do grupo criminoso, trocando tiros com policiais militares e facções rivais. 

Quem conhece a história recente da jovem se surpreende ao descobrir que, pouco antes de entrar para o crime, ela levava uma vida totalmente diferente. Criada no Morro da Ilha da Conceição, em Niterói, Hello Kitty fazia parte de uma igreja local e cantava no grupo de jovens. Nesse mesmo período, começou a se relacionar com um rapaz ligado ao tráfico de drogas da região.

A jovem entrou na mira da polícia pela primeira vez em 2018, quando foi identificada por vítimas de roubos na região. Ela atuava junto com seu então namorado, que morreu em 2019, em Minas Gerais. Com a morte do companheiro, Hello Kitty buscou abrigo na Favela do Sabão, no bairro São Lourenço, em Niterói, onde começou a atuar no tráfico de drogas na função de segurança armada.


Leia mais

Traficantes Hello Kitty e Vinte Anos são mortos em São Gonçalo

Após a morte de Hello Kitty e Vinte anos, polícia reforça segurança no entorno do Complexo do Salgueiro

CV decreta luto e ordena fechamento do comércio pela morte dos traficantes Vinte Anos e Hello Kitty


Foi nesse período que Hello Kitty conheceu Alessandro Luiz Vieira Moura, o Vinte Anos, atualmente ligado ao Comando Vermelho (CV) e então chefe do tráfico de drogas na comunidade Nova Grécia, em São Gonçalo. Antes de fazer parte do CV, Vinte Anos integrava as fileiras do grupo Amigo dos Amigos (ADA), e decidiu mudar de facção durante os confrontos entre o CV e o Terceiro Comando Puro (TCP) na disputa pelo controle do tráfico de drogas das comunidades da Coréia, em São Gonçalo.

De acordo com a polícia, Vinte Anos ascendeu à liderança da Nova Grécia no início dos anos 2000, até ser preso, por policiais do 7ºBPM (São Gonçalo), em 2008. Após cumprir parte da pena, ele conseguiu a progressão para o regime semi-aberto, mas não voltou ao sistema e está foragido desde 2017. Ainda preso, ele teria conseguido articular o apoio de criminosos da facção Amigos Dos Amigos (ADA) para ocupar a Nova Grécia e voltar ao antigo comando do tráfico no local. 

Com a decisão de Vinte Anos, Hello Kitty também decidiu mudar de facção. Ela passou a ser braço direito de Vinte no comando do tráfico da Nova Grécia e conquistou a confiança do criminoso, passando a ser sua 'afilhada'. Com isso, ganhou ainda mais destaque dentro da facção e no mundo do crime. Diversos funks de facções ligadas ao Comando Vermelho fazem referência à jovem e ao seu padrinho. 

Assim como foi ao longo de toda trajetória na vida do crime, os dois também estavam juntos na hora da morte. Os criminosos foram baleados durante um intenso confronto com policiais militares durante uma ação realizada na manhã desta sexta-feira (16). Outras duas pessoas, ainda não identificadas, também morreram. Vinte Anos era procurado por tráfico de drogas e tinha um mandado de prisão em aberto, enquanto Hello Kitty era procurada por roubo majorado e tinha dois mandados de prisão em seu nome.


*Estagiário sob supervisão de Thiago Soares

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas