Descaso com a educação

Escolas estaduais em São Gonçalo sofrem sem manutenção em suas estruturas físicas

Enviado Direto da Redação

O telhado da Escola Estadual João Tarcísio Bueno, no Paraíso, desabou em agosto e até hoje nenhum sinal de obras no local. Alunos estão em Cieps vizinhos

Foto: Alex Ramos

Por Marcela Freitas

Nascido em Cuiabá, no Mato Grosso do Sul, o coronel João Tarcisio Bueno, foi um dos principais generais da Força Expedicionária Brasileira durante a Segunda Guerra Mundial, na Itália. Sua importância histórica fez com que ele recebesse inúmeras homenagens, entre elas dar nome a uma escola estadual no bairro do Paraíso, em São Gonçalo. Com pintura projetada pelo artista plástico Carlos Sclair, o colégio passou a ser conhecida no entorno como a escola colorida. Mas as cores habituais deram lugar à tristeza de alunos e professores que, desde agosto, estão impedidos de entrar na unidade por conta do desmoronamento de parte do teto. Mas segundo o Sindicato dos Profissionais da Educação, este não é um caso isolada de escolas estaduais com problemas de infraestrutura.

Os 672 alunos da Escola Estadual Tarcísio Bueno foram remanejados: 337 estudantes do ensino fundamental foram para o Ciep 236 (Djair Cabral Malheiros) e 335 do ensino médio para o Ciep 237 (Wladimir Herzog), ambos próximo à unidade com problema. Estudantes lamentam a interdição.

“Comecei a estudar no Tarcisio no sexto ano do ensino fundamental e gosto muito de lá. No Ciep, temos um espaço reduzido e, como fica em área de risco, a direção não permite intervalos longos no pátio”, contou a estudante do 1º ano do ensino médio, Rafaella Souza Silva, de 17 anos.

Rayane da Silva, 16, também desaprovou a mudança. “O diretor disse que voltaríamos rápido para nossa escola, mas a obra nem começou. Espero poder voltar no próximo ano”, disse.

A esperança é compartilhada pela aluna do oito ano do fundamental, Mariana Souza, 14. “Não tenho nada contra o Ciep, mas essa não é a nossa escola. Quero muito que nosso colégio seja reconstruído”, afirmou.

De acordo com a diretora do Sepe, Beatriz Lugão, a entidade já entregou um abaixo-assinado nas mãos do governador Luiz Fernando Pezão, pedindo obras na unidade e a retomada das atividades.

“Pedimos diretamente ao governador por essa escola. O Sepe tem participado de audiências na Assembleia legislativa e está mobilizando a comunidade para que juntos possamos cobrar que o reparo seja concluído o mais rápido possível”, disse.

Ainda segundo Beatriz, este não é um problema isolado de escolas estaduais em São Gonçalo. “O Estado já admitiu que 70% das escolas da região precisam de alguma reforma. Além do Tarcisio Bueno, temos o ciep 409 (Alaíde Figueiredo Santos), no Coelho, que estava com a quadra interditada e o Ciep 121 (Joadelio Codeço,) em Marambaia, que está abrigando alunos do Colégio Estadual Moacyr Meirelles Padilha, que pegou fogo. Além disso, no Ciep 121 sempre que chove, o local alaga”, revelou.
Desabamento - O teto do Colégio Estadual Tarcísio Bueno desabou em um domingo, o que impediu felizmente uma tragédia. Mas segundo a comunidade escolar, a unidade de ensino sempre alagava por falta de manutenção e, durante uma chuva no ano passado, o reboco da sala da coordenação caiu, o que não foi reparado.

Secretaria minimiza problemas nas unidades

A Secretaria Estadual de Educação minimizou os problemas de infraestrutura em escolas de São Gonçalo. No caso específico do Colégio Tarcísio Bueno, o órgão informou que ainda não é possível informar um prazo para obras, já que as “intervenções dependem de liberação de verba, e o orçamento de 2016 ainda será aprovado”. Limitou-se a descrever o problema e o remanejamento dos alunos para os Cieps vizinhos.

Em relação às outras unidades, a Secretaria afirmou que não procede a informação de que Ciep 121 alaga nos períodos de chuva. “Segundo a diretoria Regional Metropolitana II, responsável pelas unidades escolares de São Gonçalo, a rua onde o Ciep 121 está localizado fica abaixo do nível das ruas do entorno, o que proporciona, em dias de muita chuva, a formação de bolsões de água na rua (e não no colégio). A direção da escola, inclusive, já solicitou providências à prefeitura de São Gonçalo, já que, em virtude desses episódios, o acesso dos alunos à escola é prejudicado”.

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Urbanismo informou, por sua vez, que “uma equipe do Departamento de Conservação e Obras irá ao local nesta segunda-feira para tomar as providências cabíveis”.

“Ainda de acordo com a Metropolitana II, a quadra esportiva do Ciep 409 foi interditada por precaução, já que os alunos poderiam tropeçar nos desníveis no piso. No entanto, o reparo já está sendo feito, e a quadra deverá ser liberada nesta segunda-feira. Ressaltamos, ainda, que a unidade passou por intervenções em outubro: todas as portas foram trocadas, os vidros das janelas substituídos, e os banheiros reformados”, respondeu a Secretaria em nota.
A Secretaria revela ainda que, “nos últimos meses, foram feitas intervenções em 43 unidades escolares de São Gonçalo. Entre os principais serviços executados, estão a revisão de cobertura (telhas e madeiramento), revisão das redes elétrica e hidráulica, climatização, retirada de vazamentos, entre outros”.

Veja também