Traficantes fazem onda de roubos a residências em Maricá e preocupam a população

Casos tornaram-se recorrentes no município

Enviado Direto da Redação

Uma família foi feita refém durante um roubo a residência, ocorrido na noite desta quinta-feira (10), na Rua Coronel Bittencourt, no bairro Mumbuca, em Maricá. 


Segundo a polícia, a proprietária da residência estava na sala assistindo televisão, quando foi surpreendida por dois homens, que invadiram o interior da casa e fizeram o marido da mulher e seus dois filhos reféns. Durante a ação, os criminosos roubaram uma televisão de 50 polegadas e um aparelho celular. 


De acordo com a PM, agentes realizaram buscas pela região e nenhum suspeito foi encontrado. O caso foi registrado na 82ªDP (Maricá), onde a polícia busca informações sobre os suspeitos. 


No último dia 5 de janeiro, uma mulher morreu após ter a sua residência invadida por criminosos, no Loteamento Jardim Atlântico, em Itaipuaçu. Durante a ação dos criminosos, a vítima, identificada como Maria da Glória Gonçalves Bento, de 63 anos, acabou passando mal e não resistiu. Além da vítima, outras trinta pessoas foram feitas reféns durante a ação dos assaltantes. 


Agentes da Divisão de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG) assumiram o caso e buscam a identificação dos três criminosos. Segundo relatos, os assaltantes, dois homens magros, altos e negros, e um homem forte, baixo e de pele parda, ainda cometeram outros roubos na região, no mesmo período.


Além disso, na última terça-feira (8), sete homens invadiram uma casa, também no Jardim Atlântico, em Itaipuaçu, e fizeram dois homens de reféns durante a ação. Segundo a polícia, diversos aparelhos eletrônicos foram levados pelos criminosos. O caso foi registrado na 82ªDP (Maricá). 


Questionada sobre os casos, a Polícia Militar afirmou que "a corporação atua na região, através do 12º BPM (Niterói), com base nas análises das manchas criminais locais e nas informações colhidas pelos nossos setores de Inteligência. A PM não tem como premissa impedir o direito de ir e vir dos cidadãos nas ruas da cidade, realizando assim o policiamento ostensivo e as prisões mediante flagrante".


Segundo a PM, é de fundamental importância a colaboração da população com o registro de queixas para a transmissão de informações que possam conduzir as autoridades aos trâmites investigativos necessários para a prisão dos criminosos. A Central 190 e o Disque Denúncia (tel. 2253-1177) também seguem à disposição em tempo integral. O anonimato é garantido.


Questionada sobre a investigação desses casos, a Polícia Civil não respondeu até o fechamento desta edição. 





Veja também