Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down Euro down 5,4907
Search

Sérgio Cabral sofre nova condenação e penas já chegam a 321 anos

Nova condenação é por propinas na Fetranspor

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 27 de novembro de 2020 - 16:31
Imagem ilustrativa da imagem Sérgio Cabral sofre nova condenação e penas já chegam a 321 anos

Ex-governador do Rio de Janeiro e preso desde 2016, Sérgio Cabral sofreu mais uma condenação da justiça por crimes investigados pela Lava-Jato, somando ao total 16 condenações. A pena foi dada pelo juiz Marcelo Bretas, que condenou Cabral a 19 anos e 9 meses de prisão por corrupção passiva, no processo da Operação Ponto Final 1. Com mais essa condenação, a pena total do ex-governador chega a 321 anos, 1 mês e 18 dias de prisão.

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF), o ex-governador Sérgio Cabral recebeu R$ 144,7 milhões em propina em troca de uma “boa vontade” do governo na análise dos atos que pudessem beneficiar o setor de transportes. O valor foi pago por integrantes do alto escalão da Fetranspor entre 2010 e 2016.

Na sentença, Bretas cita dois decretos assinados por Cabral em 2014, que concederam 50% de desconto no IPVA para empresas de ônibus e redução em 100% da base de cálculo do ICMS na prestação de serviços de transporte rodoviário intermunicipal de passageiros, que beneficiaram as empresas de transportes do município.

O juiz Marcelo Bretas também condenou pessoas que pertenceram ao alto escalão da Fetranspor, a Federação das empresas de ônibus do Estado do Rio; e do Rio Ônibus, o sindicato as empresas de ônibus do município do Rio, sendo elas: Jacob Barata Filho, dono de várias empresas de ônibus  (condenado a 28 anos e 8 meses de prisão); Marcelo Traça, empresário de ônibus, foi vice-presidente do Conselho de Administração da Fetranspor (condenado a 24 anos, 9 meses e 10 dias de prisão); João Augusto Moraes Monteiro, empresário de ônibus, foi presidente do Conselho de Administração do Rio Ônibus (condenado a 17 anos, 9 meses e 26 dias de prisão); Eneas da Silva Bueno, foi diretor financeiro do Rio Ônibus (condenado a 4 anos, 4 meses e 15 dias de prisão); Octacilio de Almeida Monteiro, foi vice-presidente do Rio Ônibus (condenado a 4 anos, 4 meses e 15 dias de prisão). 

Matérias Relacionadas