Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar up 5,1592 Euro up 5,3251
Search

Apesar de proibida, boca de urna é uma prática adotada em SG

Grupo foi flagrado ao redor do Clube Tamoio

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 15 de novembro de 2020 - 09:07
Rua está coberta por santinhos de candidatos
Rua está coberta por santinhos de candidatos -

Renata Sena 

Diferente de anos anteriores, as primeiras horas de eleição no Clube Tamoio, zona de grande movimentação no Centro de São Gonçalo, foram tranquila e sem aglomeração. Contudo, muitas pessoas foram flagradas pela equipe de OSG fazendo "boca de urna" ao redor do Clube. 

Assim como em outros pontos da cidade,  que é o segundo maior Colégio Eleitoral do Estado, as ruas ao redor do Tamoio já estão com muitos "santinhos" no chão. 

Vale lembrar  que além de ser crime eleitoral, os papéis de candidatos espalhados pelo chão, justamente no momento  de prioridade para os idosos, é  perigoso e torna o chão escorregadio.

Segundo levantamento da Agência Brasil, a Resolução no 23.610/2019 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Lei nº 9.504/1997 esclarecem as regras.

Algumas condutas são, inclusive, consideradas crime eleitoral. São vedadas, por exemplo, todas as formas de propaganda no dia da votação.

O que pode

No dia da votação, é permitido o uso de bandeiras, broches, adesivos e camisetas com foto e número de candidato, desde que como manifestação individual e silenciosa da preferência. 

O eleitor pode levar para a cabine de votação uma “cola” (lembrete) com os números dos candidatos escolhidos. A legislação também permite a manutenção da propaganda que tenha sido divulgada na internet antes do dia da eleição. Ainda no dia da votação é permitido que, nos crachás dos fiscais partidários, constem o nome e a sigla do partido político ou da coligação a que sirvam, mas é proibida a padronização do vestuário.

O que não pode

Pela legislação eleitoral, no dia da votação, é proibido divulgar qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de candidatos.

Também não são permitidas, até o término do horário de votação, aglomerações de pessoas portando vestuário padronizado ou instrumentos de propaganda; caracterização de manifestação coletiva e/ou ruidosa; além de abordagem, aliciamento, utilização de métodos de persuasão ou convencimento; e distribuição de camisetas. Tais manifestações são proibidas com ou sem uso de veículos: Constam ainda da lista de proibições no dia da votação o uso de alto-falantes, amplificadores de som; a realização de comícios, carreatas e o uso de qualquer veículo com jingles; a arregimentação de eleitores ou a propaganda de boca de urna; o derrame de santinhos e outros impressos nas seções eleitorais ou nas vias próximas, ainda que realizado na véspera da eleição; e a publicação de novos conteúdos ou o impulsionamento de conteúdo na internet, podendo ser mantidos em funcionamento as aplicações e os conteúdos publicados anteriormente.

Mesários

Aos servidores da Justiça Eleitoral, aos mesários e aos escrutinadores, é vedado o uso de vestuário ou objeto que contenha qualquer propaganda de partido político, de coligação ou de candidato, no recinto das seções eleitorais e juntas apuradoras.

Denúncias

Denúncias de irregularidades e crimes eleitorais podem ser feitas pelo aplicativo Pardal, criado pela Justiça Eleitoral, ou encaminhadas diretamente ao Ministério Público. 

Segundo a Justiça Eleitoral, no dia do pleito, os juízes eleitorais e os presidentes de seção exercem poder de polícia, podendo tomar as providências necessárias para cessar qualquer irregularidade e inibir práticas ilegais dos candidatos e dos eleitores.

Matérias Relacionadas