Alerj solicita informações à Cedae sobre fornecimento de água

Problema na captação de água já foi pauta na Alerj

Escrito por Redação 23/01/2020 06:46, atualizado em 23/01/2020 08:00
 Desde o início de janeiro moradores do Rio notaram alterações na coloração e na qualidade da água
Desde o início de janeiro moradores do Rio notaram alterações na coloração e na qualidade da água . Foto: Divulgação

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) enviou, nesta quarta-feira (22/01), ofícios à Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) e à Secretaria de Estado de Ambiente e Sustentabilidade (Seas) solicitando informações sobre as alterações na qualidade da água do Sistema Guandu, que atende a nove milhões de cidadãos residentes da cidade do Rio e dos municípios da Baixada Fluminense. Os documentos, assinados pelo presidente da Casa, deputado André Ceciliano (PT) e pelo presidente da Comissão de Tributação da Alerj, Luiz Paulo (PSDB), são destinados ao presidente da Cedae, Helio Cabral Moreira, e o secretário Altineu Cortes.


 Desde o início de janeiro moradores do Rio notaram alterações na coloração e na qualidade da água. Apesar da Cedae ter liberado o consumo, afirmando que as alterações ocorreram devido a presença de substâncias produzidas por algas, especialistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) já alertaram a população sobre os riscos das mudanças na água. Em nota técnica emitida pela instituição, professores de diferentes departamentos da universidade alertaram que a geosmina, composto orgânico produzido por algas que foi encontrado na água após análises técnicas, não é tóxica. Porém, ela pode indicar problemas na qualidade da água bruta usada para o abastecimento.


"Os requerimentos de informação têm o objetivo de averiguar a hipótese de responsabilidade do Governo do Estado e da Cedae por omissão, ou pela ausência de investimentos necessários, mesmo havendo recursos disponíveis da Companhia e do Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano (Fecam) para o tratamento da qualidade da água produzida pelo sistema Guandu" , declarou o deputado estadual Luiz Paulo.


Os documentos questionam, entre outros pontos, os motivos pelos quais a Cedae e a secretaria não implantaram o projeto de construção de um dique associado a estruturas hidráulicas de desvio para proteger a captação de água existente no Guandu. Este projeto existe desde 2009. Também foi questionada a demora da direção da Cedae e da Seas em esclarecer a população sobre os motivos na alteração da água. O documento enviado à Cedae conta com 17 pontos e para a secretaria foram elaboradas dez perguntas.


Presidente da Alerj, o deputado André Ceciliano lembra que problemas na captação de água já foram encontrados pela Alerj no passado. "Tivemos aqui a CPI da Crise Hídrica, presidida pelo deputado Luiz Paulo na última legislatura, que apontou a degradação daquela bacia. Vamos cobrar para que esse problema atual seja resolvido e que soluções definitivas sejam encontradas para que isso não se repita", destacou. 


Ofícios ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas


A Alerj também enviou ofícios direcionados à presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ), Mariana Montebello, e ao procurador geral do Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ), Eduardo Gussem. Nos documentos foram enviados os questionamentos à Cedae e à Seas, além do Relatório Final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Alerj que averiguou a crise hídrica do Estado do Rio em 2015. O objetivo é auxiliar os órgãos de fiscalização do estado e colaborar com possível ação civil pública por parte do MPRJ. Os dois ofícios também são assinados pelos deputados André Ceciliano e Luiz Paulo.


A CPI da Crise Hídrica, realizada em 2015, constatou que o Governo do Estado e os municípios que integram a Bacia do Rio Guandu estavam sendo ineficientes no combate ao desmatamento das margens do Rio. O relatório demonstrava que na época já existia "falta de infraestrutura adequada de coleta, tratamento e destinação final dos esgotos sanitários, de resíduos sólidos e de dejetos de outras origens, principalmente nas áreas urbanas situadas na bacia desse rio, além da falta de fiscalização dos despejos provenientes das indústrias".De acordo com o documento, as altas taxas de poluição e contaminação do Rio Guandu acarretam dificuldades e incremento de custos no processo de tratamento da água bruta captada pela Cedae em razão do aumento substancial das cargas orgânicas e inorgânicas.


 Entre as recomendações do relatório quanto ao Sistema Guandu estava a implementação, o mais breve possível, de uma base de dados comum entre o estado, o Comitê da Bacia do Paraíba do Sul (CEIVAP) e a Agência Nacional de Águas (ANA) para o estabelecimento de prazos para envio de dados sobre as demandas de recursos hídricos da bacia, além de promover uma atualização sobre o Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul, que era de 2010 e fazia um diagnóstico sobre as ações necessárias para a recuperação da bacia.Outras iniciativas de parlamentaresAlém dos ofícios enviados nesta quarta-feira, outros parlamentares também tem cobrado soluções para o problema. O presidente da Comissão de Saneamento Ambiental da Alerj, deputado Gustavo Schmidt (PSL), informou que o grupo fará uma audiência pública sobre o tema após o final do recesso, e já convidou o presidente da Cedae para esclarecimentos. Os deputados Alexandre Freitas (Novo), Chicão Bulhões (Novo) e Renata Souza (PSol) também enviaram diferentes ofícios à Companhia e outras instituições públicas sobre a crise na qualidade da água do Rio Guandu. Os parlamentares parlamentares solicitam, por exemplo, que os consumidores recebam uma compensação nas tarifas por causa do problema. 

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas