Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar up 5,3317 Euro up 5,5605
Search

O presidente da Câmara dos deputados Rodrigo Maia discute saúde na Alerj

O Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS) para a categoria está em pauta

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 24 de março de 2018 - 12:24
Servidores da saúde e deputados discutiram o plano de cargos e salários na última terça-feira
Servidores da saúde e deputados discutiram o plano de cargos e salários na última terça-feira -

Hoje, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), será recebido pelos parlamentares estaduais e servidores da saúde para discutir a criação do Plano de Carreiras, Cargos e Salários (PCCS) para a categoria. A reunião, que acontece, às 15h, no Palácio Tiradentes, foi anunciada, na última quinta-feira, pelo presidente em exercício da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano (PT), durante uma reunião com sindicalistas e deputados.

Segundo Ceciliano, o objetivo do encontro é mobilizar a bancada federal para garantir a efetivação do plano. Na última terça-feira (20), os servidores, deputados e o governador Luiz Fernando Pezão chegaram a um acordo sobre a proposta. Ela seria aprovada no âmbito estadual, mas dependeria de uma autorização do Conselho de Supervisão do Regime de Recuperação Fiscal, órgão do Ministério da Fazenda que acompanha a ajuda federal da União ao Rio. A autorização do Conselho é necessária porque a Lei Complementar 159, que instituiu o plano de recuperação fiscal veda a criação de novas despesas.


“Contamos com o apoio da bancada fluminense em Brasília para garantir um diálogo com o Governo Federal. Precisamos que os técnicos do ministério tenham a consciência de que o PCCS é resultado de mais de 30 anos de luta dos servidores”, explicou o presidente em exercício da Alerj.

Perdas – Nos últimos quatro anos, mais de 3,4 mil servidores da área da saúde deixaram o serviço público, de acordo com André Ferraz, diretor da Associação da Vigilância Sanitária do Estado do Rio de Janeiro (Asservisa). Para ele, esses funcionários abriram mão de seus cargos por causa da defasagem dos salários.

Matérias Relacionadas