Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Michelle Bolsonaro faz homenagem a preso do 8 de janeiro: 'Patriota Clezão'

A postagem ocorre no dia em que os ataques antidemocráticos completam um ano e o governo Lula (PT) realiza um ato em defesa da democracia

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 08 de janeiro de 2024 - 13:54
A postagem ocorre no dia em que os ataques antidemocráticos completam um ano
A postagem ocorre no dia em que os ataques antidemocráticos completam um ano -

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro publicou, nesta segunda-feira (8), uma homenagem a Cleriston Pereira da Cunha, preso pelo 8 de janeiro, que morreu em novembro de 2023 após sofrer um mal súbito no Complexo Penitenciário da Papuda. A postagem ocorre no dia em que os ataques antidemocráticos completam um ano e o governo Lula (PT) realiza um ato em defesa da democracia.

"Patriota Clezão", diz a imagem com o esboço do apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e sua data de nascimento e falecimento.


Leia mais

Atos pró-democracia marcam um ano de ações golpistas de 8 de janeiro

Agora é lei: Operadoras de TV por assinatura e internet serão obrigadas a manter atendimento presencial


Cleriston Pereira da Cunha passou mal após um banho de sol. Na ocasião, o Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foram ao local, mas não conseguiram reanimá-lo. Ele estava detido no Centro de Detenção Provisória (CDP II), uma das unidades do Complexo da Papuda.

Há exatamente um ano, o homem foi detido no Senado Federal e, posteriormente, denunciado pelos crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, associação criminosa armada, dano qualificado e deterioração de patrimônio tombado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e aguardava seu julgamento.

Em uma audiência com o Supremo Tribunal Federal (STF), ele relatou sofrer de vasculite e passar mal com frequência. Além disso, registros da Papuda apontam que Cunha sofria de diabetes e hipertensão e utilizava medicação controlada. Antes da morte, a defesa do réu já havia solicitado que a prisão fosse convertida em domiciliar, mas o pedido ainda não havia sido apreciado pelo ministro Alexandre de Moraes. Após a morte, o magistrado pediu informações do prontuário do preso.

Matérias Relacionadas