Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Deputado é condenado por pedir para funcionários votarem em Bolsonaro

Parlamentar foi acusado de coagir funcionários de empresa para fins políticos

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 27 de dezembro de 2023 - 18:00
Apoiador do ex-presidente, Gustavo Gayer nega as acusações
Apoiador do ex-presidente, Gustavo Gayer nega as acusações -

O deputado federal Gustavo Gayer (PL) foi condenado pela Justiça pelas acusações de coagir funcionários de uma empresa em Goiânia a votar no ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), durante a corrida eleitoral de 2022. O parlamentar teria se reunido com empresários e praticado assédio eleitoral contra trabalhadores para angariar votos para o colega de partido.

De acordo com a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (TRT18), Gayer deverá pagar uma multa indenizatória de R$ 80 mil por conta das reuniões que realizou com empresas na época das eleições presidenciais, no ano passado. A decisão reconheceu como evidente "o constrangimento dos trabalhadores em tais situações", levando em conta a "condição de subordinação jurídica ao empregador”.


Leia também:

➢ Lula assina decreto que reajusta salário mínimo para R$ 1.412

➢ Caixa confirma publicação de edital para concurso público em 2024


O parlamentar goiano nega as acusações e alega que os bate-papos com as empresas tinham o objetivo de debater o cenário político no país. "Na reunião não foi oferecida qualquer promessa de recompensa aos empregados para que votassem no candidato apoiado", afirmou a defesa do deputado.

Com a decisão, todo o valor de indenização pago pelo deputado pelos danos morais coletivos será direcionada para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), fundo especial gerido pelo Ministério do Trabalho e Emprego que custeia programas de abono salarial e de seguro-desemprego.

Matérias Relacionadas