Conselho de Ética da Câmara aprova a cassação da deputada Flordelis

Caso será levado para votação em plenário

Escrito por Redação 09/06/2021 11:58, atualizado em 09/06/2021 12:47
Processo será levado para votação em plenário
Processo será levado para votação em plenário . Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados decidiu na última terça-feira (8) aprovar a cassação do mandato da deputada Flordelis dos Santos de Souza (PSD-RJ), acusada pelo Ministério Público de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em 2019, em Niterói. Os parlamentares aprovaram, por 16 votos a 1, o relatório do deputado Alexandre Leite (DEM-MG), apresentado no dia 1º de junho. 

No ano passado, Flordelis foi indiciada pela polícia e denunciada pelo crime de homicídio triplamente qualificado, sendo motivo torpe, emprego de meio cruel de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Além disso, a deputada também responde por falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa majorada.

Durante a sessão do Conselho, a parlamentar pediu que tivesse um "julgamento digno" e voltou a afirmar que é inocente. 

“Mesmo que não acreditem em mim e na minha inocência, peço que me permitam um julgamento digno. Eu não matei meu marido, eu não matei ou mandei matar o pastor Anderson do Carmo”, disse Flordelis.  

Chorando, a deputada também pediu que os parlamentares aguardassem seu julgamento pela Justiça antes de tomar uma decisão. 

“Venho perante vocês pedir que não cassem o meu mandato, pois o efeito dessa cassação viria de imediato tirar o sustento da boca da minha família, abrir para que meus detratores me mandem para a prisão, fazer com que eu perca minha capacidade de defesa. A Constituição diz que, para o crime de que sou acusada, os juízes competentes me julguem. Os juízes competentes que têm que me julgar são os jurados do Tribunal do Júri.”

Flordelis disse ainda ter sido vítima da transformação de seu caso em espetáculo. “Todos sabem como desconstruir político dá ibope.”

Com a decisão, a deputada terá cinco dias para recorrer da decisão. Após esse prazo, o processo será encaminhado ao plenário da Câmara dos Deputados. Para que a cassação seja efetivada, é necessário que a maioria absoluta dos deputados (257 dos 513 parlamentares) concordem com a decisão do Conselho de Ética. Ainda não há data prevista para a votação em plenário. 

O deputado Alexandre Leite, relator do processo contra Flordelis no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, pediu a cassação da parlamentar durante a leitura do voto na última terça-feira (1º).  

“O que a gente percebe é que essa versão de pessoa generosa, afetuosa, religiosa, altruísta [de Flordelis], foi descortinada para dar lugar a uma personalidade desvirtuada, perigosa e manipuladora. E, por isso, voto pela perda do mandato da deputada, tendo em vista que a representada tem um modo de vida inclinado para práticas de conduta não condizentes com o que se espera de um representante do povo”, diz um trecho do voto do deputado Alexandre Leite.  

Flordelis não foi presa até o momento por possuir imunidade parlamentar. No entanto, ela é monitorada através de uma tornozeleira eletrônica.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas