Homem testa positivo para Covid-19 por 2 vezes em 4 meses

Há suspeita de reinfecção

Enviado Direto da Redação
Possível caso de reinfecção é analisado

Possível caso de reinfecção é analisado

Foto: Mayo Clinic

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) analisa o caso do agente administrativo Carlos Alberto Carvalho, que testou positivo para Covid-19 duas vezes em um intervalo de quatro meses e foi diagnosticado em maio e em setembro. Esta será a primeira ocorrência de reinfecção pelo novo coronavírus no Rio de Janeiro, caso se confirme o caso.


Carlos Alberto, de 60 anos, mora em Mesquita, na Baixada Fluminense. Quando foi diagnosticado pela primeira vez, ficou assintomático. Porém, na segunda ocasião, teve de ser internado no CTI em estado grave.


Em entrevista ao portal G1, a filha de Carlos, a advogada Cristiane Carvalho, afirmou que seu pai, seu irmão e sua mãe testaram positivo, em maio, depois da mãe apresentar febre, dores e pressão alta. O pai, entretanto, não manifestou sintomas. Contudo, de acordo com Cristiane, em 14 de setembro, Carlos Alberto teve sintomas de resfriado, com diarreia e febre.


No dia 17, Carlos foi encaminhado à emergência do Hospital Pronil, em Nilópolis, com pressão alta, mas teve alta no mesmo dia. Seis dias depois, ele teve uma piora no quadro de saúde e sentia muito cansaço e falta de ar.


Ao retornar à unidade de saúde, foi atestado através de uma tomografia que ele estava com 75% do pulmão prejudicado. Após essa constatação, foi realizado um novo teste PCR que deu positivo para o novo coronavírus novamente. Carlos ficou duas semanas no CTI até se restabelecer.


Os dois testes, ambos PCR, de maio e de setembro, realizados por Carlos Alberto foram feitos em locais distintos. O primeiro foi no Centro Biomédico Terra Pereira, em Nova Iguaçu. O segundo, no Hospital Pronil, em Nilópolis.


A Secretaria de Estado de Saúde divulgou que foi comunicada, na quarta-feira (21), pela Vigilância Epidemiológica Municipal de Nilópolis, sobre o possível caso de reinfecção por Covid-19 na cidade.


A SES afirmou ainda que forneceu instruções à coordenação municipal de Vigilância e que espera informações do caso para encaminhamento ao Ministério da Saúde.


De acordo com Mauro Terra, biomédico responsável-técnico do Centro Biomédico Terra Pereira e especialista ouvido pelo G1, o espaço de tempo entre os exames de Carlos Alberto que testaram positivo (diferença de quatro meses) é superior ao que eles acreditam ser somente "fragmento viral". Ou seja, se o exame fosse repetido em 30, 40 ou até 60 dias, seria possível dar positivo porque a doença ainda poderia estar incubada. Mauro confirmou que o exame realizado em maio detectou o vírus no paciente.


No entanto, o médico pondera que a capacidade de determinar a reinfecção só é viável após uma série de pesquisas.


Veja também