Polícia localiza suspeito de espancar e matar cachorro em Niterói

O caso ocorreu na última quinta-feira (15)

Enviado Direto da Redação
O cachorro foi espancado e assassinado

O cachorro foi espancado e assassinado

Foto: Reprodução/Internet

O assassinato de um cachorro, com tiros na cabeça, na última quinta-feira (15), no bairro do Fonseca, em Niterói, causou uma revolta na internet nos últimos dias. Mas, a Polícia Civil conseguiu indentificar um suspeito do crime, que teria confessado que espancou e assassinou o animal, por achar que o cão estava doente. O suspeito responderá pelo crime em liberdade. As informações são do jornal O Dia.


"O agressor será autuado por crime contra o meio ambiente e vai responder ao inquérito policial pela morte do cachorro e por posse de arma de fogo", informou o delegado Geraldo Assed, titular da 78ª DP (Fonseca). 


Os policiais agora buscar imagens de câmeras de segurança do local do crime e estão ouvindo testemunhas para determinar exatamente o que aconteceu.


O caso gerou muita revolta nas redes sociais na última semana. As pessoas, inclusive, teriam informado que um casal dono de uma hamburgueria na região teria participado do assassinato do animal. A acusação, no entanto, foi negada pelo casal.


"O Dolph, também conhecido como Segurança, era um cachorro que estava sempre na nossa porta e que eu e minha esposa costumávamos alimentar, além de já o termos acolhido temporariamente em nosso apartamento. Eu, Victor, não matei o Dolph! Não sabemos quem criou essa história nos incriminando, mas estamos indo atrás e vamos achar! Já sofremos, já choramos, estamos recebendo ameaças na nossa página, na nossa casa. Até fogo dizem querer colocar aqui. E tudo isso de forma irresponsável, por conta de mentiras criadas", postou, revoltado, nas redes sociais.


Segundo ele, até os funcionários de sua hamburgueria estão sendo hostilizados pelas pessoas. "Uma pessoa chegou a ir até a minha loja com uma faca e eu me assustei. Começaram uma campanha de acusação contra mim, uma campanha de linchamento e cancelamento do meu negócio. As pessoas estão espalhando boatos e acho isso inconsequente, ninguém quis me ouvir", disse o empresário que está com a hamburgueria fechada desde então.


"Fomos alvos de fake news e estamos buscando apoio jurídico, fomos pegos de surpresa. De repente começamos a receber comentários agressivos e com ameaças. Não estamos saindo de casa e estamos com medo. Até mensagens de ódio de outros países recebemos. Se alguém confessou que matou o Dolph não foi o (meu esposo). Querem condenar alguém e nesse caso meu esposo foi pego para Cristo", disse a dona da hamburgueria que teve seu marido acusado na envolvimento da morte do cachorro.

Veja também