Funcionário morto durante incêndio em loja de armas, em Niterói, agiu como herói

Alexandre Calvet tinha 53 anos, era casado e pai de três filhos

Enviado Direto da Redação
Alexandre Calvet foi policial e estava tentando ser reintegrado

Alexandre Calvet foi policial e estava tentando ser reintegrado

Foto: Arquivo Pessoal

Pai de três filhos, avô, esposo presente, funcionário apaixonado pelo que fazia e um herói. É assim que amigos e familiares de Alexandre Calvet, de 53 anos, querem se lembrar dele após uma morte inesperada durante o incêndio que consumiu uma loja de armas na tarde da última segunda (28), em Niterói.

Segundo testemunhas, Alexandre estava no horário de expediente quando o fogo começou. Quando Alexandre viu o fogo subir ele estava na parte de baixo do estabelecimento e teria subido para o segundo andar para ajudar os clientes. Ele então pegou o extintor para apagar as chamas, mas não foi o suficiente.

O advogado da loja, Marcelo Aidar, chegou a dizer em entrevista ao jornal O São Gonçalo que ele teria ajudado os clientes a irem em direção a saída e retornado para a parte de trás do estabelecimento para checar alguma coisa. Por causa do grande volume de fumaça ele não conseguiu retornar. Alexandre foi resgatado, teve uma parada cardiorespiratória e morreu no hospital.

Para Alan Cardozo, amigo de longa data de Alexandre, ele foi um verdadeiro herói que tentou salvar os outros, mas não conseguiu salvar a si mesmo. “A última vez que falei com ele foi ontem mesmo. Ele foi policial e estava tentando se reintegrar, mas não deu tempo”, lamentou o amigo da vítima. Alan também deixou uma mensagem no perfil de Alexandre, como forma de despedida:

“Vai com Deus meu grande amigo. Foi uma honra lutar essa guerra com você. Que Deus te receba em seus braços e você esteja muito feliz com ele nessa hora. Um dia nos veremos novamente!”, escreveu no perfil da vítima.

Um outro amigo da família também se entristeceu com a morte do ex-policial. Kevlyn Vargas conta que Alexandre era uma pessoa especial e altruísta. "Ele era um ótimo amigo, possuidor de um coração genuíno e jamais deixaria algum necessitado sem ajuda, sempre foi assim, desde o dia que o conheci até o momento de sua morte.”

Kevlyn contou ainda que havia conversado com Alexandre há um mês. "Minha avó tinha acabado de falecer e ele foi na nossa casa prestar suas condolências e solidariedade", relembrou o amigo que também não deixou de escrever sua homenagem à vítima nas redes sociais.

“Uma honra tê-lo conhecido e dividir dificuldades com o senhor, que Deus te receba da mesma forma que o senhor recebia a todos que era com amor, carinho, respeito e admiração!!! em nome da nossa família presto essa homenagem ao senhor Alexandre Calvet que foi uma pessoa especial e singular na sua passagem em vida!!! Que Deus te guarde com Ele por toda a eternidade”, escreveu Kevlyn.

A princípio, a perícia informou que o aparelho de ar condicionado esquentou demais e pegou fogo, porém a perícia final ainda não foi concluída. Equipes do Esquadrão Antibombas da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) e a Perícia Técnica Científica de Niterói (PRPT-NIT) estiveram no local na manhã desta terça (29).

Duas vítimas do incêndio em estado grave e outras duas estáveis

Na tarde desta terça (29), a direção do Hospital Estadual Azevedo Lima (HEAL) informou que o paciente Sebastião Erthal Neto encontra-se no CTI em estado grave. Já a direção do Hospital Estadual Alberto Torres (HEAT) informou que os pacientes Willy Jonatan Monteiro de Paula e Everton Gil Passos da Silva foram transferidos para unidades particulares e encontravam-se estáveis. Maurício Torres Ardigo também foi transferido para unidade particular, ontem, e encontrava-se grave.

Veja também