São Cosme e Damião: fiéis e simpatizantes se reinventam para distribuir doces na pandemia

Sem poder aglomerações, saquinhos tiveram sua quantidade reduzida

Enviado Direto da Redação
Celebração dos santos São Cosme e Damião é marcada pela distribuição de doces em saquinhos

Celebração dos santos São Cosme e Damião é marcada pela distribuição de doces em saquinhos

Foto: Divulgação

Por Thalita Queiroz*


A celebração do dia de São Cosme e São Damião é conhecida tradicionalmente como um momento de reunião entre religiosos e simpatizantes que distribuem doces em saquinhos e crianças que se juntam para ir atrás das guloseimas. Este cenário festivo, no entanto, dificilmente se repetirá neste ano por causa da pandemia causada pela Covid-19. Com isso, neste 'novo normal', até mesmo as tradições mais importantes precisaram sofrer mudanças e no dia de São Cosme e Damião não será diferente.

Comemorado neste domingo (27), a distribuição de doces de São Cosme e Damião não poderá contar com aglomerações, impactando assim até mesmo na quantidade de saquinhos distribuídos pelos fiéis. Em um dos Centros Espíritas mais antigos e tradicionais de São Gonçalo, o Centro Tenda Umbandista Pai Malaquias, localizado no bairro Barracão, a data não será deixada em branco.


Segundo o dirigente do Centro, Pai Germano, 59 anos, haverá uma reunião interna entre os médiuns, seguindo todas as medidas de proteção sanitárias. Além disso, a distribuição de doces para as crianças do bairro será diferenciada.


“Geralmente entregamos de 300 a 400 saquinhos de doces, mais de 200 crianças ficavam na nossa porta esperando para receber o seu, era uma festa. Mas com a pandemia mudamos, vamos distribuir cerca de 150 saquinhos entre os médiuns. Cada um vai levar uma quantidade e fazer a distribuição separadamente”, explica Pai Germano.

Festa preparada para as crianças em dia de São Cosme e São Damião no Centro Tenda Umbandista Pai Malaquias
Festa preparada para as crianças em dia de São Cosme e São Damião no Centro Tenda Umbandista Pai Malaquias | Foto: Divulgação


Para os fiéis da religião Umbandista, o dia de São Cosme e Damião é uma das principais datas festivas. “A festa acontece em homenagem às crianças que já desencarnaram e que agora voltam para brincar e comer doce”, explica o dirigente do Centro.


Tradição de família


Para a empreendedora Marianne Cardoso, 30 anos, a distribuição de doces é uma tradição de família que ela não queria romper. A empreendedora conseguiu então dar um jeitinho de não gerar aglomerações neste final de semana. Ela vai distribuir neste ano 100 saquinhos, bem caprichados, na porta da sua casa, com a ajuda de quatro amigos: Carina, Laís, Michelle e Vitor.


“Como somos cinco amigos e não queremos deixar esse dia em branco, neste ano, excepcionalmente, resolvemos dar para as crianças das nossas ruas e conhecidos”, conta ela.


Moradora do bairro Zé Garoto, em São Gonçalo, Marianne faz questão de relembrar como viveu a sua infância nesta época do ano. “A minha avó doou doce durante 50 anos. Além de doar 1 mil saquinhos de doce, ela fazia rosquinhas, cocadas e distribuía bolo com refrigerante também. Eu me lembro que a data de São Cosme e São Damião era praticamente um feriado pra mim e pra minha irmã... Era um dia que minha mãe deixava a gente faltar aula pra correr atrás de doce e, naquela época, a gente saía com duas mochilas nas costas e conseguia encher bacias e bacias com doce. A gente tinha que voltar pra casa pra deixar os doces e voltar pra rua com a mochila vazia”, relembra ela.


A empreendedora Marianne segue tradição da avó e distribui doces há três anos
A empreendedora Marianne segue tradição da avó e distribui doces há três anos | Foto: Divulgação


Animada, ela lista tudo que conseguiu comprar neste ano. “Colocamos tudo que criança gosta: batom, skate, jujuba, disquete, geladinho, bis…”. Porém, a pandemia não trouxe mudança somente na forma de distribuir, mas também no custo da ação. Após fazer pesquisas no comércio, a gonçalense percebeu um aumento significativo nos preços.


Aquecimento no comércio varejista

Para o presidente da Associação Comercial do Alcântara, Fabiano Rodrigues, mesmo com as transformações causadas pela pandemia da Covid-19, ele acredita que o movimento vai aumentar em 5% a 7% por se tratar de um período muito importante para quem compra.


“Este período festivo de São Cosme e Damião e do Dia das Crianças é sempre importante para o comércio. Acreditamos que o movimento vai sempre melhorar. Outro ponto a favor do comércio neste momento é o aporte do auxílio emergencial e o adiantamento do 13º dos aposentados. Isso tudo altera diretamente o varejo”, explica o presidente da Associação Comercial do Alcântara.


São Cosme e Damião

| Foto: Divulgação


O Dia de São Cosme e Damião é comemorado em 27 de setembro. Ao lado de São Lucas, são conhecidos como os santos padroeiros dos médicos e dos farmacêuticos. Nesta data, em praticamente todo o país, existe o hábito de dar doces e brinquedos para as crianças, que vão para as ruas a fim de receberem essas recompensas.


Cosme e Damião eram dois irmãos árabes, provavelmente gêmeos, que residiam na região da Ásia Menor. Eles eram médicos cristãos e demonstravam grande compaixão pelos doentes, seres humanos e animais, curando-os sem exigir recompensa. Ficaram conhecidos como inimigos do dinheiro e, posteriormente, foram acusados de serem inimigos dos deuses romanos. Por esse motivo, os jovens foram condenados à morte por ordem do Imperador Diocleciano, por volta do século IV d.C.


*Estagiária sob supervisão de Thiago Soares

Veja também