Família de maquiadora gonçalense com lesão no cérebro faz vaquinha para que ela volte a andar e falar

A jovem descobriu a doença em março deste ano

Enviado Direto da Redação
A jovem está se alimentando e falando com dificuldades

A jovem está se alimentando e falando com dificuldades

Foto: Arquivo pessoal

Por Ana Carolina Moraes*

Viver a base de comidas líquidas. Ter metade do rosto paralisado. Ter sua fala prejudicada. Não conseguir se locomover sozinha. Essa é a realidade atual da maquiadora gonçalense Thana Santos Nascimento, de 29 anos, que, em março, recebeu a notícia de que estava com uma lesão no cérebro. De lá para cá, a vida de Thana foi basicamente em hospitais e cirurgias. Mas, a jovem ainda não conseguiu se curar 100% dos sintomas da doença e, para isso, precisa da ajuda de profissionais como fisioterapeutas, fonoaudiólogos, neurologistas, psiquiatras, dentre outros. Só com esse auxílio, ela conseguirá recuperar gradualmente sua fala, consciência, movimentos e até a sua própria mastigação, considerando que recentemente a jovem se alimentava por sondas. Mas isso tudo é caro e a família da jovem, que mora no Jardim Catarina, recorreu a uma vaquinha para custear essa recuperação de Thana e fazer com que a jovem consiga prosseguir com seus sonhos de ser uma maquiadora profissional e produtora de moda de sucesso.

Esta era a jovem Thana, de 29 anos, antes da descoberta da lesão no cérebro. Ela é maquiadora profissional e produtora de moda
Esta era a jovem Thana, de 29 anos, antes da descoberta da lesão no cérebro. Ela é maquiadora profissional e produtora de moda | Foto: Arquivo pessoal

A vida de Thana e sua família mudou drasticamente em março quando, após alguns sintomas e mal estar, foi constatado que a jovem estava com uma lesão no cérebro. Desde então, a família começou a enfrentar filas em hospitais para conseguir realizar uma cirurgia. O primeiro procedimento cirúrgico ocorreu em abril, quando Thana precisou colocar uma válvula em sua cabeça para retirar a água que estava acumulando em seu cérebro. O líquido estava causando um quadro de hidrocefalia na jovem de 29 anos. 

"Os sintomas eram lancinantes (picadas internas) e ela precisava fazer uma cirurgia urgentemente, pois corria risco de vida. Rodamos vários hospitais municipais e estaduais e, por conta da pandemia, não tinham equipe nem leitos para fazer o procedimento. Por fim, conseguimos realizá-la no Hospital Estadual Alberto Torres (HEAT), no Colubandê", contou Gregory Gomes Combat, de 31 anos, namorado de Thana. 

Gregory disse que nas primeiras semanas após a cirurgia, o tumor ficou estabilizado. Mas, isso não se manteve por muito tempo, já que a jovem voltou a sentir muita dor de cabeça, tontura, enjoou e não conseguia nem mais beber água e comer sem vomitar. A família então buscou por ajuda nos hospitais novamente. Eles até conseguiram uma vaga para a jovem no Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), mas, com a pandemia, a demora foi maior do que o esperado, já que, segundo eles, o hospital não possuía leitos disponíveis por causa de pacientes com a Covid. Thana acabou se contaminando com o novo coronavírus, o que também atrasou sua cirurgia em mais 15 dias. 

Por fim, após a jovem quase entrar em coma, a cirurgia foi feita em caráter de urgência no dia 29 de julho. No processo, os médicos conseguiram retirar cerca de 90% do tumor que estava na cabeça de Thana. 

"Foi uma cirurgia muito delicada e ela quase faleceu no processo. Mas hoje estamos nessa caminhada, com ela reaprendendo a falar, comer, andar, recuperar suas funções motoras e estamos nos cercando de todos os profissionais possíveis", afirmou Gregory que é gestor cultural. 

O tratamento de Thana, que é moradora do Jardim Catarina, continua sendo no INCA. Por causa disso, ela precisa se locomover de carro, mas, em agosto, o carro de Teina, irmã de Thana, que servia para levar a jovem ao INCA, acabou perdendo um peça, o que ocasionou um capotamento. O carro deu perda total e, desde então, a família busca conseguir também uma nova forma de ajudar na locomoção da jovem. 

O carro da irmã de Thana se envolveu em um acidente e deu perda total
O carro da irmã de Thana se envolveu em um acidente e deu perda total | Foto: Arquivo pessoal

Pensando nisso tudo, a família resolveu fazer uma vaquinha, no início de agosto, para conseguir arrecadar o valor necessário para ajudar no tratamento de Thana com os diversos profissionais necessários e para ajudar na locomoção dela em seu tratamento. O valor total da vaquinha era 70 mil e a meta foi alcançada na última semana, mas a ajuda não pode parar, segundo Gregory.

"Pra mim, junto com a família, foi um movimento muito difícil tornar público algo tão pessoal e doloroso, ainda mais para pedir ajuda financeira. Mas depois que fizemos, tivemos a certeza que foi o movimento correto. Recebemos tanto apoio, carinho, para além da vakinha, que nos confortou e tem sido mais leve e amoroso esse momento desafiador da sua recuperação. A solidariedade e a coletividade são movimentos que queremos reverberar para nossas vidas também. Apesar de termos alcançado a meta, as taxas são muito altas e pedimos que as pessoas continuem doando. Ela precisa voltar a falar por completo, a andar e tudo com o apoio de profissionais caros", afirmou ele. 

Gregory e Thana estão juntos há dois anos
Gregory e Thana estão juntos há dois anos | Foto: Arquivo pessoal

Thana vem dando pequenos avanços em sua recuperação. Nestes últimos dias, por exemplo, ela conseguiu entrar na dieta dos sólidos, já que antes ela só comia alimentos líquidos por meio de sondas. Mas, ela ainda tem metade de seu rosto paralisado, com isso, a visão do olho da parte paralisada está afetada e Thana sente dificuldades na fala. A doação de valores vai ajudar ela a fazer uma fisioterapia e uma fonoterapia para conseguir retornar a sua vida normal e seguir com seus sonhos, que estão paralisados desde a descoberta da lesão no cérebro, há 6 meses. 

Amigos ajudando 

Vários amigos de Gregory estão ajudando na arrecadação de dinheiro. André Pessoa, um tatuador amigo de Thana, fez uma rifa de tatuagens para arrecadar dinheiro no tratamento da jovem, mas o resultado desta já foi anunciado. Uma outra rifa, feita pelo fotógrafo Allan Jardim, amigo de Gregory, está dando um ensaio fotográfico para o vencedor. 

"A rifa vai até o dia 05/10, o resultado sai no dia 06. Eu sou amigo do Gregory e eu vi que ele tinha feito uma publicação falando do caso da Thana e da vaquinha e eu quis ajudar de alguma forma. A ideia surgiu quando a vaquinha ainda não tinha batido a meta e eu queria ajudar de alguma forma e propus fazer o sorteio. O caso dela vai demandar muitos gastos, ela precisa de muitos profissionais, o caso é grave. Cada número da rifa custa R$ 30,00. O prêmio é um ensaio fotográfico com 12 fotos tratadas e editadas. O valor da rifa vai direto para a conta da irmã da Thana. ", informou Allan Jardim, de 33 anos. O fotógrafo, que também é formado em publicidade, ainda completou dizendo: "ainda há números para serem vendidos na rifa, para quem quiser participar". 

Gregory também conseguiu a ajuda de um amigo engenheiro seu, que montou um jogo para Thana conseguir recuperar suas funções motoras. Sobre essas ajudas dos três amigos, Gregory afirmou: "Ficamos muito felizes de ver o quanto ela é amada e ver profissionais incríveis colocando o valor do seu trabalho pra ajudar nesse momento tão delicado."

Para quem quiser participar da rifa feita por Allan, basta entrar em contato com o fotógrafo através do Instagram (@jardim.fotógrafia). E para quem quiser continuar ajudando com qualquer valor na vaquinha de Thana, basta clicar aqui.  Para mais informações ou para oferecer ajuda no caso, entre em contato com Gregory pelo número (21) 98169-8281 ou pelo Instagram do mesmo (@gregcombat).


*Estagiária sob supervisão de Marcela Freitas 

Veja também