Estado do Rio e Prefeitura de Niterói tem discrepância no número de casos de Covid-19 na cidade

Os órgãos estadual e municipal divulgaram boletins contraditórios sobre o número de vítimas da doença

Enviado Direto da Redação
O casos veio a ser comentado pelo deputado Flavio Serafini, que escreveu um texto sobre o assunto.

O casos veio a ser comentado pelo deputado Flavio Serafini, que escreveu um texto sobre o assunto.

Foto: Divulgação

*Por Ana Carolina Moraes e Tatiane Gomes*


No início desta segunda-feira (15), a Secretaria de Saúde do Rio divulgou um boletim sobre o número de casos de coronavírus no estado, que chega a 79.572 confirmados e 7.672 óbitos. No texto, o órgão informa que a segunda cidade com maior número de infectados seria o município de Niterói, com 4.572 casos confirmados da doença. No entanto, outro boletim lançado pela prefeitura da cidade no dia de hoje apontou que existiam pouco mais de 3,9 mil pessoas atingidas pela doença na região.


O caso chegou a ser comentado pelo deputado e ex- vereador de Niterói, Flávio Serafini, que escreveu um texto sobre o ocorrido. De acordo com ele, depois de uma subida no número de mortes por COVID nos últimos dias, Niterói teria igualado na última sexta-feira (12) o maior número de óbitos em um só dia, que havia sido registrado em 13 de maio, sendo 6 mortes por coronavírus. Segundo Serafini, diante dessa elevação recente dos números e apesar do compromisso público (expresso pelo Decreto 13.604 de 21 de maio) em atualizar semanalmente os indicadores sobre o Covid-19 em seu site, a Prefeitura de Niterói, até o momento, não havia apresentado o balanço do monitoramento dos indicadores, com sua última atualização feita no dia 5 de junho.


Com isso, jornal ‘O São Gonçalo’ questionou a prefeitura de Niterói sobre a discrepância dos números divulgados e a fala do deputado. Segundo eles, o município possui 4.009 casos confirmados de Covid-19 em residentes de Niterói e a Coordenação de Vigilância em Saúde já entrou em contato com o Estado e solicitou revisão dos dados divulgados pelo órgão.


“É importante esclarecer que a divulgação do número de óbitos, e também novos casos, ocorre por data de notificação e não de ocorrência, portanto podem levar a um aumento do número no boletim. Outro ponto importante é que com o aumento no número de testagem, houve um aumento no número de casos identificados. A FMS continua monitorando os dados de novos casos pela data dos sintomas, que vem apresentando queda continuamente há mais de 15 dias, conforme indicado pela OMS”, esclareceu a prefeitura do município.


Já quanto a fala do deputado, a assessoria do município afirma que não é verídico as informações divulgadas no texto. “Em relação ao posicionamento do deputado, a FMS informa que os boletins oficiais são divulgados diariamente tanto para o governo do Estado, quanto para população e não procede a informação relatada por ele”, afirmou a nota da prefeitura.


Também procurada, a Secretaria de Saúde do estado também enviou uma nota sobre a situação. “A Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS) da Secretaria de Estado de Saúde (SES) esclarece que conta com quatro canais de informação (e-SUS VE, SIVEP-gripe, GAL e e-mail do CIEVS) nos quais os municípios devem inserir seus números de casos e óbitos por coronavírus, e que são acompanhados diária e rigorosamente pela equipe estadual. Possíveis divergências de informação entre os dados da SES e dos municípios ocorrem quando não há notificação adequada nos sistemas oficiais. A SVS frisa que a notificação de casos e óbitos é de responsabilidade dos municípios e que, sendo observadas discrepâncias, a SVS entra em contato para solicitar a regularização da situação e, caso proceda, a correção nos canais oficiais”, esclareceu o órgão.


*Estagiárias sob supervisão de Cyntia Fonseca

Veja também